22/03/17
em: moda
[Trend de Inverno] Sapatos de Veludo

Tem rolado pouco conteúdo de moda por aqui, sorry Girls, estou em ritmo de reorganizar o blog e os looks e tendências tão ficando atrasadas. MAS, com esse ventinho que começou a fazer, e a esperança de um inverno bem gelado, eu já me empolguei com algumas tendências de moda.

Uma delas, que inclusive já cedi e caí no consumismo, são os creepers, flatforms e tratorados em veludo. Assim que bati os olhos no primeiro sapato de veludo nas lojas esse ano, já me veio aquela nostalgia dos anos 90. O creeper é um estilo de calçado da década d 90, em veludo então, é muito grunge, é muito amor. 💜

E pra inspirar todo mundo que já amou e ainda vai amar essa tendência, selecionei alguns modelos lindos de flatforms, oxfords, tênis e até coturnos em veludo pra gente babar.

Veludo nos pés

Na gringa a gente encontra muitos modelos em veludo molhado, que é esse aspecto de que o tecido brilha ou está mesmo molhado.

Creeper veludo

Mas o veludo tradicional, principalmente em tons escuros como vinho, verde esmeralda e azul marinho, também aparecem muito e são as primeiras cores que tenho visto nas lojas brasileiras.

Tênis de veludo

Acompanhando o veludo, tenho visto muito o cadarço de fita no lugar do tradicional cadarço dos tênis. Eu acho super fofo e delicado. E vocês?

Oxford veludo

Esse Oxford em veludo molhado verde esmeralda tá um amorzinho. 💕

Tênis de veludo Velvet creeper

O flatform e o creeper não vão nos abandonar mesmo, ainda bem. Só vieram em veludo pro inverno, o que é uma grande mudança do metalizado da primavera e do verão.

Coturno de veludo

Coturno e veludo = melhor combinação 😍

Veludo cano alto Flatform veludo

Encontrei alguns modelos em lojas brasileiras e deixo aqui o link pra vocês. Os preços não estão fora do que a gente já tem visto ultimamente. O que surpreendeu positivamente foi esse modelo da Moleca, e esse aqui Constance, que não resisti e trouxe pra casa. A linha Santinato da Renner também veio com um modelo legal em veludo.

A vontade é ter vários, mas vamos nos conter, ninguém tá podendo e também não precisamos de tantos sapatos. Então se for escolher um sapatinho de veludo pra chamar de seu, foque nas suas cores e modelos preferidos, pra não correr o risco de ficar só enfeitado seu guarda roupas. 😉

Helena SáPostado por Helena Sá

Veja também

14/03/17
Ninguém liga pra sua opinião

Ninguém liga pra sua opinião

Isso é bem verdade, acho que em tudo, ninguém liga pra sua opinião mesmo. Mas no que diz respeito ao corpo, modo de agir e personalidade alheias, realmente, além de ninguém ligar, não é da sua conta. 😉

E o vídeo dessa semana é sobre isso. Será que você sabe aproveitar oportunidades de ficar calado? Ou você sai distribuindo opinões não solicitadas por aí? E o pior, diz que está só querendo ajudar.

Aperta o PLAY, assiste em HD pouco mais de três minutinhos de vídeo, pra gente ir direto e reto no assunto. 🚀

Quero saber o que vocês acharam do vídeo e do que eu falei! Quem gostou se inscreve no canal e dá joinha no vídeo. 😉👍🏻

Helena SáPostado por Helena Sá

Veja também

07/03/17
Pra pensar no dia 8 e praticar todos os dias

Dia da mulher

Sou péssima com datas, detesto a obrigação de fazer algo, celebrar ou mesmo lembrar de alguma coisa apenas por conta de uma data específica. Nunca dou parabéns quando o Facebook me avisa dos aniversários, apenas parabenizo os poucos amigos que tenho, independente de um aviso de rede social. Detesto a obrigação de ser feliz no natal, de ter esperanças no ano novo e de ter que dançar, beber e pegar todos no carnaval…

Falei tudo isso pra justificar a minha falta de empolgação total em completa com o dia 8 de março, Dia da Mulher. Sempre tento me programar para fazer algo incrível nessa data, mas nunca rola. As coisa que eu faço e luto, são diárias.

Minha força vem de mim e de outras mulheres, vem de coisas que quero que aconteçam, de outras que não quero que se repitam. A data em si, apesar de ter um significado real, não me vincula, minha determinação vem da coisas que quero mudar e que acontecem todos os dias.

Pra mim, vale muito mais que se pratique todos os dias, do que se faça um grande alarde uma vez por ano. E esse ano ao invés de fazer um texto falando o que está errado, pelo que devemos lutar, e tentando educar homens, falarei direto às mulheres, a todas nós, afinal, se queremos que o mundo melhore, temos que começar por nós mesmas.

E tem algumas coisinhas que resolvi listar, que acredito que se aplicarmos no nosso dia a dia, seremos melhores mulheres, melhores pessoas:

  • Empatia: sei que está batido, a gente sempre ouve o quanto é importante para entender e aceitar o outro, a empatia. Mas a gente pratica mesmo?
  • Problematizar sem atacar: sim, é possível não concordar com a opinião dos outros sem agredir, debochar, ridicularizar ou tentar humilhar o coleguinha.
  • Aceitar críticas: esse é continuação do tópico anterior, saber ouvir opiniões contrárias sem levar pro pessoal, sem entender tudo como um ataque, ajuda demais pro nosso crescimento.
  • O ego não vem primeiro: só porque você tem pessoas que te ouvem, que te admiram, você não é o dono eterno da razão e o centro do mundo. Outras pessoas também são incríveis, talentosas e especiais.
  • Teoria e prática: você faz o que você prega? Seu textão também se aplica a você e as suas atitudes? Vejo que muita gente adora dizer o que os outros devem ou não fazer, mas logo ali na frente estão fazendo o exato oposto do que defendem ferozmente em textões, lives no facebook, vídeos no YouTube…
  • Paciência: mesmo você fazendo tudo certo, sendo empática, compreensiva, inspiradora e seguindo tudo que eu falei acima. Mesmo assim nem todo mundo vai gostar de você, concordar com você ou te achar o máximo. E está tudo bem, e essas pessoas nem sempre são ruins por isso, elas tem um motivo pra pensar diferente.

Tenho visto uma guerra de egos dentro de militância, polarizações, quem é melhor, quem tem mais likes, quem manda mais indiretas. Gente surfando a onda errada, se escondendo atrás de falsos discursos de empoderamento, sendo condescendente e visando apenas ser a heroína, a salvadora, a dona da palavra. E isso é o exato oposto do que o feminismo prega.

E sim, eu já fiz tudo errado e oposto ao que coloquei nessa lista, não sou perfeita, aprendi às vezes errando, outras vendo o erro dos coleguinhas. A ideia é cada dia ser uma pessoa melhor, uma mulher melhor, tentar contribuir de alguma forma pra mudar o que está errado, tentar ser mais tolerante, e no fim o clichê vale: mais compreensão e amor, por favor!

Assim, quem sabe, juntas podemos um dia não precisar mais de uma data para nos lembrar quem somos e o que podemos.

Helena SáPostado por Helena Sá

Veja também

23/02/17
Bate papo sobre feminismo e empoderamento
Feminismo

Ilustração: Laila Alves

Sabe aquele tipo de conversa que você aprende muito? Sabe aquele tipo de pessoa que te faz reconsiderar muitas coisas que você nem sequer tinha se dado conta? Pois é, foi assim quando tive o prazer de bater um papo com a Fabiana Nogueira (ou Biba, pra mim que sou caloura dela). A Fabiana é formada em Jornalismo pela Universidade Federal de Viçosa e Mestre em Comunicação pela USP.  E hoje, além do trabalho como produtora cultural na Universidade Federal do Acre, também é militante e ministras oficinas e cursos sobre feminismo.

Fabiana Nogueira

Quando conversamos, após participar da oficina dela sobre “A mulher e a mídia: uma relação violenta”, logo pensei que precisava compartilhar aqui no blog um pouco do que foi discutido e apontado lá.  A oficina foi organizada pelo Departamento de Comunicação aqui da UFV, então a maioria das participantes eram do curso. É preciso continuar avançando nas discussões e na disseminação de informações sobre machismo e misoginia.

Bom, a conversa foi ótima e longa, por isso, vou reproduzir alguns trechos que achei mais interessantes e que me serviram, e acredito que também servirão como ponto de partida para outras reflexões e debates.

Garotas Rosa Choque – O termo feminista ainda é tido como algo negativo, extremista. Quando você começou a se intitular feminista?

Fabiana – Foi na Graduação, eu não sabia o que era. Mas, no fundo eu já me incomodava com aquelas situações de opressão, mas não sabia nomeá-las. E quando você não sabe expressar a opressão que você passa você não consegue lutar contra ela. É um processo de ruptura mesmo.  Mas, é também um processo meio doloroso porque algumas coisas você não percebia e passa a perceber todos os processos de opressão que estão em todos os lugares e o tempo todo.

Garotas Rosa Choque – No livro “Sejamos Todos Feministas” a Chimamanda Ngozi Adichie fala sobre a questão cultural. Do quanto muitas pessoas se apoiam no discurso de que determinadas tradições culturais justificam atitudes que oprimem as mulheres. E no seu mestrado isso deve ter sido um ponto debatido, né?

Fabiana – A cultura assim como a sociedade toda é feita por homens e para homens. As mulheres não estão incluídas no processo de criação nem de aplicação de regras ou de ocupação de espaço público. Então, essa cultura feita por homem e pra homem, ela com certeza vai ser machista. A gente tem que rever as tradições, a gente tende muito a ver a cultura como a cultura do outro.  ‘Olha que bonitinho aquela cultura ali, olha que bonitinho aquelas mulheres ainda fazem tal coisa’. Mas, vai saber se a vida dela é boa ou é ruim, se ela gosta de fazer determinada coisa. Ou se aquela cultura supre as necessidades dela ou a oprime.

Garotas Rosa Choque –  O que você acha dessa nova geração, porque tem gente muito nova que já sabe o que é feminismo, já é empoderada.

Fabiana – Eu acho lindo (risos).  Eu lembro que quando eu conheci o feminismo aqui na UFV foi por necessidade mesmo, foi lendo.  Mas, era muito raso ainda, não tinha espaço de debate. As redes sociais facilitaram muito isso também, né? Na minha época eu lembro que a gente tinha o Orkut, mas não tinha esse caráter, era outro perfil, ainda estava se construindo uma cultura de caráter digital, né. Então, o que eu descobria era por minha conta mesmo, agora você vê essas pessoas que já consegue se organizar assim, é muito importante mesmo.  É a única forma pra que a gente consiga ter uma mudança social real. Que as mulheres se unam, se a gente for esperar os homens fazer alguma coisa pela a gente, a gente morre seca.

Ana Paula NunesPostado por Ana Paula Nunes

Veja também

20/02/17
A Síndrome do Instagram Harmônico

Instagram harmonico

“Se você tem uma conta no Instagram para o seu blog, marca ou até pessoal, ela tem que ser harmônica, procure um padrão de cores para suas fotos não descombinarem, poste apenas fotos bem tiradas, com cores adequadas a cartela de cores do seu perfil. Procure um tema pra suas fotos, evite fotos poluídas, com muita informação, bla, bla, bla…”

Notaram que eu tenho paciência zero pra qualquer tipo de coisa padronizada, não é mesmo?

Então essa neura/regra/imposição de um instagram atendendo a certas fórmulas, pra mim não dá certo. Eu tenho os meus gostos, vivências e estilo. Obviamente então meu isntagram reflete isso, mas ao mesmo tempo ele pra mim é livre e espontâneo, se eu for ficar escolhendo minuciosamente só fotos que combinem entre si, que se harmonizem e coisa e tal, putz, já não é mais vivência, não é realmente eu, vira uma loja de decoração que eu montei.

Instagram harmônico

Resposta de uma marca a uma proposta comercial que eu fiz.

Como faz pra postar aquela foto bem loka com as amigas? E se a foto tá num tema ou num tom que não combina com as demais? Deixo de postar um momento massa que eu queria tanto dividir, porque pode ser que não passe na vistoria de uma marca? E que porra de marca é essa que quer parceria apenas com robozimhos com fotos estilo tumblr? A estética mais uma vez superando a autenticidade e a vivência.

Acho lindos Instagrams com fotos todas bonitinhas e combinandinho, quando é de loja, marca, serviço adoro… de pessoas também, mas eu quero é ver realidade, a foto de impulso, colorida aqui, preto e branco ali.

É claro que vou tentar fazer a melhor foto possível (adoro fotografia), que quanto mais cuidado aos detalhes e composição melhor sai a foto. Quando faço foto de objetos, de um prato, sempre tento tirar a melhor possível. Mas sem deixar a comida esfriar, a hora da vida passar só pra fazer uma foto estilo instagram. BITCH, PLEASE!

Instagram harmonico

E outra coisa muito importante, escolher tema pra instagram já me assusta porque significa que a pessoa não tem gostos, afinidades, estilo e atitude que afloram e sobressaem nas fotos por si só, precisa compor e decorar retratos e vivências. Quando a gente tira foto de coisas e momentos, na nossa casa, ou lugares legais aonde vamos, sai espontaneamente uma foto legal, pode não ser na paleta de cores, não estar centrada, com a luz certa, mas meu, somos todos fotógrafos agora? E o pior, fotógrafos padronizados.

Além disso, segundo as regras e vistorias por aí, postar os quotes do garotas polui minha timeline, ou seja, fazer uma coisa legal, e sim, linda, é ruim para o meu perfil na rede social. Escrever muito numa legenda também, faz diminuir o alcance da postagem. Ou seja, meu projeto #timelineinclusiva também é errado. Escrever na legenda a mensagem da imagens, para que cegos possam através de aplicativos ler também, é ruim para a estética e consequentemente para o meu trabalho! E isso é muito triste.

Com tudo isso eu quero abolir os instagrams arrumadinhos? God, não!

Eu quero é que não sejam uma regra, que as pessoas entendam que não há uma fórmula exata para uso do instagram ou qualquer outra rede social. Que o que funciona pra alguém, não tem que necessariamente funcionar pra mim. Que meus amigos, ou seguidores, leitores, whatever, não são resultado da aplicação de um método ou cálculo. E que sim, a espontaneidade pode gerar um bom perfil. Seja ele, pessoal, de influência ou marca. 😉

Helena SáPostado por Helena Sá

Veja também

08/02/17
Se Flopar tá tudo bem

se flopar ta tudo bem

Como uma pessoa que vive de likes, compartilhamento e engajamento pode ficar de boa com um post flopado? *

*Flopar no vocabulário da internet significa que ninguém viu ou se interessou pelo que você disse/postou/compartilhou.

Tenho visto que é quase uma necessidade física das pessoas, como beber água, que seus posts sejam aceitos, comentados, tenham muitos likes. É normal, fora da vida online as pessoas também sempre quiseram ser populares. A maioria delas, a maior parte do tempo.

Eu também já quis muito ser, todos nós em algum momento por motivos diversos já quisemos nossos 15 minutos de fama. E com as redes sociais, isso tomou uma proporção diferente, agora todo mundo quer que todas as suas fotos, opiniões e ideias causem! Alguns nem se importam se o retorno for negativo, desde que tenha uma grande comoção ao redor daquilo, não interessa se causou asco, revolta…

Então é muito comum ler a expressão: “Se flopar nem existiu”, nas postagens como forma de justificar e de desculpar pela possibilidade de ninguém se interessar pelo que você falou.

Já fui uma pessoa super preocupada com isso, não nas minhas postagens pessoais, mas por me dedicar e me importar muito com meu trabalho no blog, é claro que sempre quis que tivesse muitas visitas, likes, que o que eu faço alcance as pessoas. Por isso costumava conferir quantas visitas todos os dias, engajamento… Hoje em dia desencanei muito disso.

Mas como não se preocupar se seu blog vive disso? Bom, não é questão de cagar pra interação e engajamento, isso é importante pra um influenciador e não serei hipócrita de dizer que não ligo pra isso.

É que a forma de ver o retorno do meu trabalho mudou. Pra mim 1 (UM) comentário legal sobre o meu trabalho é mais importante do que 100 likes. Uma pessoa me dizendo que de alguma forma ajudei ela a crescer e mudar mesmo que pouca coisa, é mais importante do que views e shares.

É um processo de desvincular um pouco do seu EGO do que você faz, não levar pro pessoal ou achar que é rejeição se ninguém der um like. E isso serve pra você que não tem blog canal e é apenas um usuário comum de redes sociais também:

SE FLOPAR TÁ TUDO BEM! Ok? 😉

Não é falta de amor por você, você não é menos legal ou importante por isso.

Helena SáPostado por Helena Sá

Veja também