feminismo


18/11/15
Passei boa parte da vida tentando mudar meu cabelo

Eu tenho 27 anos. Passei boa parte da vida tentando mudar meu cabelo, não aceitando o meu cabelo. Tentando transformá-lo, aos poucos, naquilo que eu achava que era mais bonito. Naquilo que a sociedade me mostrava que era mais bonito, através de novelas e revistas.

Fiz amaciamentos, relaxamentos e progressivas. Comecei aos 14 anos de idade, querendo aquilo que era o meu sonho na época, um cabelo liso e com as pontas levemente cacheadas. Não preciso dizer que não funcionava, né? O cabelo crescia e dois dedos de raiz cacheada eram suficientes para acabar com o sonho mês a mês.

Aos 17 anos, com o cabelo já bastante fragilizado, resolvi alisar de vez. Achei que a nova vida de estudante de jornalismo pedia um cabelo liso, mais próximo dos padrões televisivos. E por isso, resolvi fazer uma progressiva e um relaxamento juntos. O cabelo não ficou liso, ficou esticado, ressecado, e eu ainda precisava fazer escovas para ele ficar modelado.

cabelo com progressiva

Meu bota-fora pré mudança para Viçosa, onde fiz a faculdade.

Menos de seis meses foram suficientes para eu me arrepender e perceber que não queria mais aquilo. Já não me lembrava do meu cabelo natural, resolvi que o deixaria crescer e esperar toda a química sair. Passei pela transição sem saber o nome dela, não existiam grupos ou informações pela internet. Fiquei um ano com duas texturas no cabelo e vivendo com ele preso. Não foi fácil, claro, mas eu estava determinada a não voltar atrás.

Já com vários dedos de raiz cacheada, durante a transição

Já com vários dedos de raiz cacheada, durante a transição

Depois de um ano de transição fiz o meu primeiro big chop (cortei o cabelo para tirar a maior parte de química possível), que na época não foi tão grande assim porque meu cabelo já estava curto. Quando eu vi meus primeiros cachos surgirem depois disso, prometi a mim mesma que nunca mais faria nada para modificá-los. Eu os aceitei pra sempre naquele momento

Um ano depois do primeiro big chop

Um ano depois do primeiro big chop

E cá estou eu, nove anos depois disso tudo, feliz e aplaudindo de pé toda vez que vejo pessoas falando sobre deixar os cabelos naturais. Sei que transição é difícil, muuuito difícil. Mas, estudei, li e aprendi que cabelo pode ser muito mais que estética. Aceitar o seu cabelo pode ser um ato político. Por isso, toda vez que vejo uma mulher em transição na rua eu tenho vontade de dar um abraço e dizer: “Ó, vem cá! Você não tá sozinha, cara! Tô aqui, te dou força!” Como sei que isso não é possível, não dá pra abraçar todo mundo, me propus a abraçar virtualmente o máximo que conseguir.

atual

E já ia esquecendo de me apresentar: eu sou a Ana Paula, jornalista, mãe de dois gatos, e agora faço parte da equipe do Garotas Rosa Choque.

Postado por Helena Sá

Veja também

22/08/16
Saia midi e tênis

saia midi e tênis

Só tem dado look aqui no bloguinho, mas é porque comecei agosto viajando e hoje estou voltando de outra viagem, ambas para o Rio (aguardem o vlog). Por isso acaba que não dá tempo de escrever, gravar vídeos, mas look eu ainda tenho vários pra postar.

E como se precisasse de mais, sábado eu fiz esse look fofo aí de saia midi e tênis, que foi pra dar uma volta e lanchar junto com a minha mãe. Ela nunca levou jeito pra tirar fotos, sempre passei raiva quando pedia pra ela tirar alguma foto qualquer de mim, por isso não esperava muito dessas.

Mas a gente tava passando por esse grafite “Girl Gang“, que eu amo. Dai desde que vi pensei que eu tinha que fazer foto de look nessa locação, pois tudo a ver com o Garotas e comigo, né non?

girl gang look

E não é que as fotos que minha mãe fez ficaram fofas? Eu amei várias, foi até difícil escolher as que eu ia colocar no post. 💜

girl gang 11

Fora que eu tava tão fofinha, tava com preguiça de arrumar cabelo e me maquiar, então fui de rabinho de burro e só com um BB cream de leve no rosto. Achei que com isso fiquei com cara de criança, me achei super gracinha, pelo menos a Hebe diria isso de mim. 😅

look girl gang

E não é que apareceu um Zubat mala enquanto a gente fazia as fotos? 👾

girl gang 8

Mas do look ainda não falei nada. Porém, o que falar dessas peças antiguinhas, mas que ainda considero demais, aliás, amo!

A saia já apareceu aqui, e o cropped aqui, no bloguinho.

Amo essa combinação desse cropped, que eu fiz a partir de uma camiseta masculina, com a minha saia de carrossel e meu tênis pink. Mais uma vez é um visual todo combinadinho, que deu certo. Tem azul e rosa tanto na saia, quanto no cropped.

girl gang capa 2

Aliás, adoro usar cropped com saia de cintura alta e desse estilo rodada, ainda mais se for midi. E o tênis eu combinei ali porque acho que saia midi e tênis juntos são amor demais.

saia midi e tenis

Ah, e ainda tenho que mencionar os óculos que estão ali em harmonia, já que eles são em lilás, e ainda tem meus brinquinhos novos, super delicados, que também estão combinandinho com o look. 🌷

girl gang 10

Eu usei:

  • Cropped que foi camiseta, Renner (sessão masculina);
  • Saia midi, Chica Bolacha;
  • Tênis rosa, Adidas;
  • Óculos lilás, Rayban;
  • Brinquinhos, Forever 21.

girl gang 14

O que mais posso dizer desse look? Que amei o cenário, que saia com bolso é mais do que necessário, já que nem precisei de bolsa ao sair com esta. E que dá pra ser básica e colorida ao mesmo tempo.

O que vocês acharam?

Postado por Helena Sá

Veja também

27/07/16
Gorda, a última na fila da empatia

gorda-a-ultima-na-fila-da-empatia

Participo de alguns grupos de minas gordas, muitas maiores do que eu, e que sofrem muito mais com a Gordofobia do que eu.

O sofrimento dessas minas vai muito além da pressão estética, da pressão familiar e social para se enquadrar no padrão. Elas têm problemas de mobilidade, nenhum lugar está preparado para recebê-las, desde o cinema sem cadeiras para quem não cabe nas regulares, ao ônibus com a roleta estreita e os bancos também. No hospital não há equipamentos, macas ou cadeiras de rodas que comportem o corpo gordo, aquele acima do manequim 52 já começa a sentir isso na pele.

Além disso, é essa/esse gorda/gordo que vão sofrer com a agressão, e o ódio a gordos no seu nível mais destrutivo. As pessoas xingam na rua ou na internet, fazem piadas, e realmente acreditam que o gordo está numa escala inferior na sociedade tanto em beleza, quanto em inteligência e capacidade.

Isso tudo que eu falei foi duro de ler? Então saiba você, que chegou aqui e provavelmente é uma pessoa consciente, coerente, uma pessoa que está sempre nas redes sociais apoiando de alguma forma as lutas contra machismo, homofobia, racismo, transfobia. Você é uma fatia da sociedade que está mais evoluída, se compararmos você aos comentaristas de portal, ao pessoal no botequim e do salão do meu bairro, nossa, você é foda.

Agora me diga, na fila da sua empatia, aonde está a gorda? Falo gorda, pois meu público é em maioria feminino e por sermos mulheres sofremos mais com a Gordofobia que os homens. Mas o assunto aqui é sério.

E por que você está vindo com esse assunto agora, Helena?

Bom, que a sociedade em geral é gordofóbica, que a moda exclui gordos, tudo isso já contei aqui, já alertei até sobre marcas inclusivas, que abusam do marketing feminista, que não oferecem suas peças para o público gordo.

Mas e você pessoa evoluída, empática e problematizadora, já parou pra pensar se toda essa vontade de mudar o mundo, de lutar contra o preconceito, inclui os gordos?

Nessa vida dividida entre moda, blog, maquiagem, e feminismo (sim, eu misturo tudo isso). Direto me deparo com gente super moderna, desconstruída, evoluída, inovadora, inclusiva e diferentona. E posso afirmar que, em relação à machismo, homofobia, transfobia e racismo (esse nem tanto), está tudo resolvido na cabecinha desse pessoal. Mas nós gordas, é um susto pra eles quando a gente tem talento, entende de moda… A maioria quando me conhece, não dá nada por mim, quem é essa gorda? (É isso que a expressão na cara deles passa pra mim). Mas é só me adicionarem nas redes sociais, darem uma olhada aqui no blog, que vem correndo me elogiar, elogiar os looks, me falar que sou lacradora…

Ou seja, para eu ser levada a sério, para essas pessoas me perceberem com alguém inteligente, uma pessoa bonita e empoderada, eles têm que praticamente ver um currículo. Isso não acontece com as minas e manos magros que eles são apresentados, pois as tatuagens, roupinhas hipsters minimalistas somadas ao padrão, já precedem. Às vezes trata-se de um completo babaca, mas vem com o pack roupinha trend, padrão e tattoos, então já é show!

gorda, a última na fila da empatia

Mas eu rodei, rodei, e não cheguei ao motivo desse post. Que é dizer que tem feminista gordofóbica, gay gordofóbico, trans gordofóbica… a Kalli falou disso, de um caso que aconteceu esses dias e que vale a pena vocês irem conferir. Resumindo, uma mulher trans foi gordofóbica e quando questionada confirmou e atacou uma moça gorda que se disse ofendida com o comentário. Além disso, essa mulher trans é modelo e fez parte da campanha de uma marca inclusiva e genderless, que foi avisada das atitudes da moça e resolveu não se envolver. Leiam a treta toda no post da Kalli. E digo que é mais triste ainda ver a gordofobia saindo da boca de quem sofre muito com preconceito e opressão.

Contei tudo isso aqui, para provar que sim: a GORDA, é a última na fila da empatia, da SUA empatia, se é mesmo que ela está na sua listinha.

Porém, não fiz esse post para atacar, apesar de colocar o dedo na ferida, a intenção aqui é fazer o debate evoluir, é fazer você pensar. Pois você pode não ter expressado abertamente a sua Gordofobia, como a moça fez, mas já pensou. Você pode até mesmo não ter pensado dessa forma, mas já se omitiu ao ver um amigo ou amiga postar algum fat shaming.

Então, vamos mudar isso? Vamos começar a lembrar que o feminismo tem que incluir todo mundo, e digo mais, as negras e as gordas deveriam receber a maior empatia desse movimento, ter mais espaço e representatividade, e a gente não tinha que ter que dizer isso para quem supostamente é desconstruído e defensor dos oprimidos, não é mesmo?

Postado por Helena Sá

Veja também

18/07/16
GIRL POWER só para magras

GORDOFOBIA É A QUE ESTÁ MAIS NA MODA

De uns tempos para cá na internet brotaram pequenos, médios e grandes negócios voltados para o público feminino engajado, feminista, consciente. Isso é incrível, as marcas mais antigas estão se preocupando mais com representatividade, as novas já começam defendendo isso, como eu disse, é lindo.

Tenho visto muita marca criada por mulheres, minas produzindo pra minas, isso é demais, sempre procuro indicar aqui essas marcas, priorizar consumir delas pra mim, e consequentemente mostrar aqui nos looks do blog.

Mas mesmo com toda essa movimentação, nessa pequena revolução, as gordas ainda estão esquecidas. São poucas as marcas que se preocupam em produzir acima do tamanho 46. Existem sim marcas direcionadas ao público Plus Size. Mas o que acontece com as milhares de novas lojas produzindo e levantando a bandeira da inclusão, que não atendem as gordas? Sim, são a esmagadora maioria.

skinny-girl-power

Girl Power só para magras?

E será que podemos falar em inclusão quando deixamos uma minoria oprimida de fora? Será que você aí que abriu uma loja agora, ou que já está no mercado há mais tempo e que produz camisetas com frases empoderadas, feministas, mas não as faz acima do 46, você acha mesmo que pode se dizer uma marca inclusiva? Que atende a todos e todas?

Qual o sentido de vender uma camiseta escrito GIRL POWER, se na verdade você quis dizer SKINNY GIRL POWER (poder das garotas magras)?

Eu acredito que TODAS as marcas de roupa devam atender todo mundo, mas infelizmente não é essa a realidade e apesar de já ter melhorado muito, ainda somos marginalizadas quando se trata de moda. Mas o que eu quero apontar aqui nesse post, não são TODAS as marcas, mas TODAS aquelas que se dizem INCLUSIVAS, feministas…

Se você faz esse tipo de marketing, ganha com ele, o mínimo que deve fazer é não excluir. Ou então pare de vender camisetas dizendo fight like a girl, girl power, pussy é poder, dentre outras.

“A mas Helena, lá vem você com esse papo outra vez, existem nichos de mercado.”

Então quer dizer que por exemplo, se você atende ao mercado jovem, não pode ter roupa acima de 44, pois jovens são todos magros, é isso mesmo? Você está me dizendo então que não existem gordos em todas as segmentações? Ou será que você apenas não quer sua marca associada a imagem de gordos? Pensa bem.

Se for por aí meus amigos, vou ter que recolher a carteira de feminista, inclusiva, diferentona da sua marca, pois adivinha, você não traz nada de inovador, você não acrescenta nada, você só está dizendo para milhares de mulheres e garotas gordas, que elas nem o direito de ser incluídas por quem faz moda “inclusiva” têm, que elas estão mesmo totalmente erradas, já que até mesmo as tais marcas genderless, que atendem a todos, não querem vestir o corpo gordo.

De todas as fobias, a Gordofobia é a que está mais na moda. Entenderam?

Postado por Helena Sá

Veja também

17/05/16
Deixar o cabelo solto é revolução

cabelo solto

Para as garotas de transição, que sabem como é difícil não se render ao elástico e deixar o cabelo preso permanentemente. E principalmente, para as garotas que o cabelo na rua chama atenção, e que sabem que o cabelo solto é revolução, eu dedico essas palavras.

cabelo solto é revolução
As horas passam
Não tem mais definição
A insegurança vem, as nóias também
O frizz taí, não dá pra fingir
Você resiste, tenta insistir
Não prender também é resistência!
Onde você aprendeu que cabelo crespo é indecência?
Deixa assim.
Será que tão olhando pra mim?
Será que é rejeição?
Acho que não é aprovação.
Só hoje, mais um pouco.
E amanhã começa tudo de novo.
É diário, é rotina.
É um trabalho árduo pra manter a autoestima.

Postado por Ana Paula Nunes

Veja também

29/04/16
Apresentando: Loja Queer

loja-queer

Alô, alô! Graças a Deus, diria certamente Inês Brasil ao saber que hoje a loja Queer está abrindo suas portas virtuais.

E para coroar esse lançamento fechante os lindos que idealizaram a marca escolheram o Garotas para falar ao mundo sobre esse nascimento (Born this way) 👩‍👩‍👧

Primeiro deixa eu contar o que significa o nome da marca:

A palavra “queer” ou “genderqueer” é proveniente do inglês, e é designado para identificar pessoas que não seguem o padrão heteronormativo estabelecido pela sociedade. Ou ainda, pessoas que não se identificam com o binarismo de gênero (masculino e feminino). É uma expressão relacionada àqueles que não se encaixam com as formas tradicionais de identidade e orientação sexual.

Literalmente, queer significa “estranho”, “esquisito”, “ridículo”, e por muito tempo foi utilizado como forma pejorativa para se referir a gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros. Mas com os movimentos sociais, a comunidade LGBT incorporou a expressão, com o intuito de dar um novo significado, alterando a carga difamatória com que eram denominados todos os “estranhos” ou os fora da norma. Portanto, agora queer traz um significado diferente, e passou a denominar um grupo de pessoas que desejam romper com a ordem heterossexual imposta.

E um pouquinho sobre o que tem a Loja Queer de tão especial.

A Queer é uma união de ideias, conceitos e ideologias, aliados à cultura pop, cinema, seriados, música, literatura, política, bordões, e claro, tudo o que há de melhor na internet. Queremos invadir o armários das pessoas, para que elas possam ter orgulho do que vestir, mas principalmente, desfilar sair com muita elegância.

Acreditamos na moda como forma de expressão e na capacidade de interação entre as pessoas. Uma camiseta é mais que peça de guarda-roupa, é uma maneira de dizer quem você é, sem qualquer tipo de rótulos, no melhor estilo “born this way”.

Preciso dizer que amei tudo sobre o que essa marca linda quer trazer pra gente?

loja-queer

E ainda tem mais, a Queer eliminou o conceito de masculino e feminino de suas coleções, os modelos de camiseta são Slim e Confort, e fica a critério do cliente decidir o que é melhor para si. Eu que nunca liguei pra isso de “coisa de menino, coisa de menina”, dei pulinhos mentais de alegria. 😅

Loja queer

Servindo Katya, a uma das Queens mais engraçadas que já passou pelo RuPaul’s Drag Race

Eles mandaram pra mim o tamanho GG do Confort, que posso dizer que vai até o 48 soltinho ou 50 mais justa. Aguardamos tamanhos maiores! 😉

Depois dessa teoria toda, o melhor é ver algumas das estampas:

loja-queer

Cada estampa tem um historinha muito legal por trás, e eu já tenho as minhas preferidas.

Outra coisa que achei foda, os modelos que fotografaram para a coleção, a diversidade e a representatividade chegaram junto, com a poderosa Samanta Silva e o Michell Marques (que é homem trans).

A loja Queer já tá a todo vapor on-line, entrega no Brasil todo, e já tem Instagram e Facebook.

As minhas expectativas estão altas para as próximas coleções da marca, mas já to amando tudo desse lançamento e quero pelo menos umas 4 estampas!

E vocês, o que acharam? Lacraram, não é mesmo?

Postado por Helena Sá

Veja também

11/04/16
Sobreposições: dicas de uso para as gordas

No post sobre Armário Cápsula plus Size eu comentei que eu e muitas moças gordas gostam de usar bastante as sobreposições. Coletes, quimonos, cardigãs, camisas, boleros, camisetas, Blazers, jaquetas…

Tanto no verão, quanto no inverno, a gente usa muito, e não apenas para nos escondermos, simplesmente porque sobreposições dão um charme ao look, seja ele de uma gorda ou de uma magra, se a sobreposição for bem feita, fica lindo, traz estilo e atitude ao visual.

Mas tem também as mulheres gordas que ainda tem um pouco de receio de usar sobreposição por achar que vai aparentar ser mais gorda, maior, o que não acontece. E se acontecer, qual é o problema? Parecer maior não é ruim, vamos parar de pensar que magro, petit, pequeno é sempre bom e que grande é ruim para mulheres. 😉

sobreposições

Aprendi muito cedo a usar sobreposição, tenho queratose pilar, que deixa meus braços cobertos de bolinhas vermelhas, por isso sempre tive vergonha de mostrá-los, só usava camiseta quando estava bronzeada, pois aí as bolinhas ficavam camufladas.

Mas teve um lado bom nisso, pois acabei estimulando a minha criatividade ao combinar peças para sempre usar mangas.

sobreposições-plus-size

A sobreposição traz ainda a possibilidade de milhares de looks diferentes usando as peças de roupa que você já tem.

Um vestido vira uma saia combinado com uma camiseta, suéter ou camisa por cima. Uma camiseta sem mangas, ganha mangas coloridas com um bolero e coletes por cima. Não tem limites para sua imaginação quando você mistura peças que supostamente deveriam ser usadas de outra maneira, fica diferente, inusitado, e você ganha em visuais diferentes sem comprar mais nada.

gordas

Ah Helena, mas eu não tenho criatividade para isso, não sei misturar estampas, não sei o que cai bem com o que…

Gente, vai no armário, pega um vestido, depois começa a combinar com todas as camisas, camisetas, suéteres e afins que você tenha. Pronto! Você com certeza vai tirar daí algumas combinações que não imaginava serem tão legais. Agora é só ir aos poucos fazendo isso com todas as suas peças de roupa e acessórios também.

E aí, deu certo? Quero saber quem já faz sobreposição com pé nas costas e pode vir dar dicas pra gente nos comentários. E quem foi no guarda roupas e conseguiu fazer uma sobreposição legal, vem contar aqui! 😉

Postado por Helena Sá

Veja também