feminismo


06/12/17
Coleção Mujeres Chica Bolacha

Amanhã entra no site da Chica Bolacha, a coleção Mujeres. E eu tinha que vir aqui mais uma vez mostrar alguns looks da coleção em primeira mão.

E tem varias motivos pra gente amar essa coleção, além da beleza das peças. Fiquem sabendo que todas as modelos da coleção são clientes da Chica, que se inscreveram num concurso feito pela marca. E o melhor de tudo, é que a diversidade e a inclusão na escolha das clientes/modelos foi linda, de dar gosto de ver, de emocionar mesmo!

Acho que eu nem preciso falar mais do que isso sobre o casting de modelos maravilhosas. Então vou apenas mostrar algumas IBAGENS, e falar um pouquinho da coleção em si. 🖤🎈

“A identidade da coleção está nas cores quentes (vermelho e millenial pink). Camisetas com frases sem-vergonha, vestidos frescos, acinturados, blusas cropped, saias rodadas e estampas exclusivas assinadas pela própria Thayná Candido são as apostas deste verão super descolado, latino e diverso da Chica Bolacha.” (release)

Chica Bolacha

Eu já tenho meus ítens preferidos dessa coleção, apesar de ter amando cada detalhe dela! 🖤

E vocês, o que acharam de tudo?

A coleção MUJERES vai ao ar no dia 7 de dezembro, às 18h na loja virtual.
O lançamento oficial em SP será no Pop Plus dias 9 e 10 de dezembro.
A coleção já está disponível na loja física da Chica Bolacha.

Serviço:
LANÇAMENTO DA COLEÇÃO MUJERES
do 38 ao 60
Loja Online: www.lojachicabolacha.com.br
Loja física: Rua Hilário Ribeiro, 220 – Porto Alegre
Pop Plus: Av Paulista, 735 – dias 9 e 10/12

Fotografia: Adriana Líbini
Makeup: Monalisa Ribeiro
Hair: Aline Donadelli
Styling: Thayná e Rosangela Candido
Assistente produção: Shey Guess e Fernanda Muller
Arte-final: Thayná Candido
Modelos: Ana Kafray, Camila Freitas, Cynthia Ramos, Drika Coelho, Leonora Lourenço, Luana Nazareth, Luciane Barros, Natália Paulenas, Rachel Patrício, Lorena Monerath.

Postado por Helena Sá

Veja também

06/12/17
Coleção Mujeres Chica Bolacha

Amanhã entra no site da Chica Bolacha, a coleção Mujeres. E eu tinha que vir aqui mais uma vez mostrar alguns looks da coleção em primeira mão.

E tem varias motivos pra gente amar essa coleção, além da beleza das peças. Fiquem sabendo que todas as modelos da coleção são clientes da Chica, que se inscreveram num concurso feito pela marca. E o melhor de tudo, é que a diversidade e a inclusão na escolha das clientes/modelos foi linda, de dar gosto de ver, de emocionar mesmo!

Acho que eu nem preciso falar mais do que isso sobre o casting de modelos maravilhosas. Então vou apenas mostrar algumas IBAGENS, e falar um pouquinho da coleção em si. 🖤🎈

“A identidade da coleção está nas cores quentes (vermelho e millenial pink). Camisetas com frases sem-vergonha, vestidos frescos, acinturados, blusas cropped, saias rodadas e estampas exclusivas assinadas pela própria Thayná Candido são as apostas deste verão super descolado, latino e diverso da Chica Bolacha.” (release)

Chica Bolacha

Eu já tenho meus ítens preferidos dessa coleção, apesar de ter amando cada detalhe dela! 🖤

E vocês, o que acharam de tudo?

A coleção MUJERES vai ao ar no dia 7 de dezembro, às 18h na loja virtual.
O lançamento oficial em SP será no Pop Plus dias 9 e 10 de dezembro.
A coleção já está disponível na loja física da Chica Bolacha.

Serviço:
LANÇAMENTO DA COLEÇÃO MUJERES
do 38 ao 60
Loja Online: www.lojachicabolacha.com.br
Loja física: Rua Hilário Ribeiro, 220 – Porto Alegre
Pop Plus: Av Paulista, 735 – dias 9 e 10/12

Fotografia: Adriana Líbini
Makeup: Monalisa Ribeiro
Hair: Aline Donadelli
Styling: Thayná e Rosangela Candido
Assistente produção: Shey Guess e Fernanda Muller
Arte-final: Thayná Candido
Modelos: Ana Kafray, Camila Freitas, Cynthia Ramos, Drika Coelho, Leonora Lourenço, Luana Nazareth, Luciane Barros, Natália Paulenas, Rachel Patrício, Lorena Monerath.

Postado por Helena Sá

Veja também

05/12/17
Use o que quiser, não use o que não quiser

Não usar o que a gente não que usar. Parece bem óbvio, mas vou explicar nesse post e também no vídeo, por que não é tão simples assim.

Tudo que é muito repetido, acaba virando verdade, pelo menos uma verdade superficial, que todo mundo concorda, porque é o mainstream. Use o que quiser! Quer usar cropped, se joga, quer usar mini saia, go girl!

Tá, mas e quando a gente não quer usar tudo que tá por aí? Tá todo mundo usando, tem que mostrar o corpo, tem que marcar barriga! Não tem não! Pode? Claro que pode. Deve? Se você gosta e quer, sim! Mas o fato é que não TEM que usar não.

Parece que eu tô complicando uma coisa bem simples, que é: use o que quiser, não use o que não quiser. Mas não é bem assim quando a gente passa a sentir uma pressão pra fazer isso porque tá todo mundo fazendo, porque tá todo mundo usando.

Tá todo mundo mostrando peito, as novas tendências são o sideboobs e underboobs. Roupa marcando barriga porque ela já foi muito escondida. Sim, concordo que é até revolucionário mostrar. Mas ninguém é obrigado a nada.

E sim, às vezes a gente precisa lembrar isso, mesmo parecendo a coisa mais óbvia do mundo, a gente esquece no meio de tanto lacre e afronta, podemos simplesmente ser o que somos, e usar o que nos deixa confortável, não interessando se é tendência, se é revolucionário, se vai lacrar…

E no final acaba que seguir seu próprio estilo, pensar com a própria cabeça, ouvir um pouquinho o que vem de dentro, ao invés da última tendência, acaba sendo meio que, surprise, REVOLUCIONÁRIO. 😉

Escrevi em texto e gravei vídeo, porque aí quem é de ler, lê, quem é de ver, vê. Beleza? Ah, e quem é de ler e ver, lê e vê! 😅

Agora a hora mais feliz, quando vocês me contam o que acharam do que falei e escrevi? Faz sentido? Viajei? Concordamos? Quero saber! 🌟

Postado por Helena Sá

Veja também

06/11/17
Ultrimagem: Inclusão no atendimento de saúde

Ultrimagem inclusão no atendimento de saude

Fiquei pensando em como abordar aqui no blog assuntos como clínica, exames e saúde, já que vim fazer um post de apresentação da Ultrimagem, clínica especializada em exames de imagens aqui da Zona da Mata de Minas.

Com certeza alertar para a prevenção (principalmente porque acabamos de encerrar o Outubro Rosa e já estamos no Novembro Azul), é importante e a Ultrimagem tem a melhor logística para atender todos os exames necessários nessa prevenção.

Mas o que mais me chamou atenção por lá, foi mesmo a inclusão. Com arquitetura preparada para receber a todos, desde deficientes à idosos. A Ultrimagem também recebe sem transtornos e atende a exames para pessoas altas e/ou gordas.

Parece que eu estou falando o óbvio, porque a gente sempre imagina que um centro especializado em atendimento e amparo de saúde, deve atender sempre a todos. Mas essa não é a regra, a maioria dos estabelecimentos de saúde, tanto públicos quanto particulares, não está preparado para antender quem não se enquadra no padrão.

E por nós aqui no Garotas estarmos sempre falando em inclusão e representatividade, foi providencial quando a equipe da Ultrimagem me convidou pra conhecer a sede principal aqui em Juiz de Fora.

Eu já havia realizado exames na clínica, porém não imaginava que esse nível de atendimento existia aqui tão próximo a mim. Pois ouvi diversos relatos de amigas de várias as cidades, até mesmo de São Paulo, reclamando de não ter acesso a macas, cadeiras e aparelhagem, que comportassem o atendimento a pessoa gorda.

Ultrimagem precisão em diagnóstico

Por isso fiquei mega feliz em saber que os equipamentos, como o que realiza ressonância, na Ultrimagem, estão preparados para suportar até 250 quilos. Abrangendo assim uma parcela da população, que em muitos espaços sociais é marginalizada e excluída.

Inclusão no atendimento de saude

Por estas e mais outras iniciativas inteligentes e inclusivas, fico feliz em falar da Ultrimagem aqui no blog. E com certeza recomendar pra todos e todas que me acompanham, que realizem seus exames lá.

Além de tudo que eu já mencionei, a Ultrimagem ganha em conforto e recepção dos pacientes, a espera para realizar exames além de aconchegante, busca sempre ser a menor possível.

E para mim que amo patrimônio histórico, até mesmo um compromisso considerado “chato” como realizar exames, fica interessante, pois dá para admirar a casa da principal unidade da clínica na cidade. Que é um casarão incrível, que data da década de 20. E os administradores da clínica, tiveram a feliz iniciativa de preservar e deixar ainda mais bonito.

Inclusão no atendimento de saude

Bem, já falei muito. Agora o que interessa é deixar aqui link para o site da Ultrimagem, endereço e contatos.

Endereço: Avenida Rio Branco, 3029, Centro, Juiz de Fora, Mg, Telefone (32) 3257-4000

Espero que vocês tenham gostado do meu relato. E agora quero saber, vocês conhecem a Ultrimagem?

Postado por Helena Sá

Veja também

30/08/17
em: Looks, moda
Street Style Plus Size

Street Style plus size

Eu ia dar o nome pra esse look de Girl Power, mas achei que era bem óbvio e resolvi que o look é bem street, ou seja, um look street style plus size com certeza.

Ficou uma confusão de cor de cabelo aqui nos looks, porque a Raíssa entregou as fotos bem depois, quando eu já havia mudado a cor do cabelo pro lavanda, daí tem foto com cabelo novo que o Mateus fez, e tem foto da Raíssa com cabelo antigo. Mas o look tá lindo mesmo assim.

E esse look tá tão rolezinho noturno, tem brilho, tem vestido, tem Girl power e é confortável. E a locação fechou com ele, vejo essas fotos e me dá logo vontade de sair pra um bar, pra um rolê com os amigos… parece que a noite é minha! 🚀⭐️

Street Style plus size

Essa bomber era um sonho de consumo desde que vi as primeiras desse tipo com expressões feministas estampadas. E eu queria assim, bem oversized, pra dar um jeito mais largado ao look.

Street Style plus size

Combinei com o meu vestidinho de guerra, que já esteve aqui em alguns looks. Adoro esse vestido, ele é a definição de coringa num guarda roupas. ❤️

Street Style plus size

Detalhe do tulê que deixa aparente o sutiã com strap.

Street Style plus size

E essa foto gente? O que dizer, nem sei de tão perfeita! 😍

Street Style plus size

Detalhe do meu flatform já super batido que também tá sempre aqui nos looks. Pernoca de fora que eu uso até no frio, porque o sangue aqui é quente! 😅

Street Style plus size

Eu usei:

  • Jaqueta bomber, Vintage&Cats;
  • Vestido preto, Marguerite;
  • Flatform preto, Via Mia.

Vocês já sentiu ao vestir uma roupa, ao abrir a porta de casa pra sair, ao sentir o cheiro da rua, que a noite era sua? Que a vida era curta e que aproveitar cada momento era sua meta, curtir e sentir como o único motivo pra estar viva? De vez em quando é bom pensar que o mundo é grande e a gente quer conhecer tudo numa noite só. E que o poder pra isso é todo nosso.

Viajei, mas esse look me fez sentir assim. Vocês concordam?

fotografia: Raissa Lopes

Postado por Helena Sá

Veja também

19/06/17
Se nada der certo…

se nada der certo

Eu já estava para gravar um vídeo e escrever aqui sobre o meu novo trabalho na marca Sou Dessas. Mas com a tal festa à fantasia de um colégio particular em que os alunos se fantasiaram de profissões que consideram como “dar errado” na vida, tive que adiantar esse post pra poder falar o que eu penso disso tudo.

Aperta o PLAY e assiste em HD! 🎈

No vídeo eu falo detalhes do meu trabalho como consultora/influenciadora (esse é o cargo na carteira de trabalho), da Sou Dessas. Esse é um trabalho que estou curtindo fazer, pois ele valoriza meu blog,, parte dele é produzir conteúdo para o Garotas, e isso é incrível. ⭐️

Falo também da minha formação acadêmica, do trabalho no blog… mas eu quero aqui reforçar uma coisa:

De fora a vida dos colegas, do vizinho, na maioria das vezes parece ser um mar de rosas, parece que tudo “deu certo”.

Mas nunca é o que parece, o clichê é verdade, a vida é complicada, não tem receita de bolo ou manual de instruções. Você pode seguir tudo que te disseram, ou pode seguir seus sonhos, nenhum dos dois caminhos é garantia de “sucesso” no final.

Porém, a gente também não tem como medir sucesso na vida, não é ter mais dinheiro, acho que dar certo na vida é fazer o que gosta, ser feliz assim, conseguir tempo pra ficar perto de quem a gente ama… são tantos os fatores e diferentes para cada um de nós, não dá mesmo pra mensurar.

A única coisa que dá pra concluir dessa história toda, é que se você acha que existem trabalhos inferiores, que dar certo na vida é só dinheiro e status, acho que você já está dando errado, não é? 😉

Postado por Helena Sá

Veja também

09/06/17
Ninguém quer te ouvir, e é pela sua aparência

Do You Wanna Touch Me

Se você for a palestras de coaching, esse estilo motivacional, sobre ser bem sucedido, popular, etc. Se ler livros estilo auto ajuda que tem o segredo do sucesso e outros trambiques, vai ouvir e ler sempre que a aparência, a imagem que você passa é imprescindível. A tal “boa aparência” é pré requisito. E isso normalmente significa seguir padrões, seja no estilo de roupas, corte de cabelo, maquiagem ou na forma física e na cor da pele, quando já caímos nos preconceitos.

Esse tal padrão tá em tudo mesmo, para as pessoas te ouvirem você tem que passar uma imagem bem sucedida, e ser gorda, ter cabelo colorido e tatuagens não combina nada com isso na maioria dos ambientes de trabalho e até mesmo sociais.

Me vejo em situações por muitas vezes, em que eu sei mais, tenho mais para ensinar, experiências para dividir, do que o cara branco, de terno e mais velho tem. Mas quem vai ser ouvido é ele. Eu saco mais de moda, de cosméticos e afins do que muitas das moças loiras e magras que estão nos mesmos eventos que eu. Mas porque eu não escolhi os artifícios padrão para me vestir, por não ter o peso certo, não sou ouvida, levada a sério. Mesmo quando eu tenho um blog com mais engajamento, um público, experiência, reconhecimento de grandes marcas com tudo isso, vejo nos olhos das pessoas o julgamento da aparência.

Estive essa semana presente em dois eventos, em um falei da empresa em que trabalho, no outro era uma mesa de restaurante conversando sobre viagens. Em ambos eu tinha argumentos, base, vivência e gente, eu falo bem em público, em ambos as pessoas não aparentaram interesse em me ouvir.

Na mesa do restaurante inclusive foi engraçado, pois um senhor disse que morou 9 meses em Lisboa e não conheceu nada da cidade, só ia trabalhar e dormir, nem sabe falar da cidade, poderia muito bem nem ter estado lá. E eu comento, morei dois anos em Lisboa, trabalhei para pagar meu mestrado lá, fazia uma jornada de oito horas no trampo e de quatro na faculdade diariamente, e mesmo assim conheci a cidade de cabo a rabo, viajei dentro do país e pela Europa, tinha muita vivência interessante pra dividir. Mas o tal senhor, mais velho (isso também conta), falando que só foi lá juntar dinheiro, aparentemente era mais interessante.

E eu posso citar outras diversas situações. A escola em que estudei a vida toda está veiculando publicidade com uma blogueira, obviamente chamaram uma moça nos padrões, ao invés da ex-aluna. E não é por falta de qualificação, sou advogada, especialista em direito internacional, turismóloga, tenho sete anos de experiência em influência, mídias sociais, produção de conteúdo… nada disso bate a aparência padrão. 👍🏻

O que a gente pode tirar de aprendizado disso tudo? Tem dois caminhos: você pode simplesmente começar a se enquadrar, atuar e se encaixar perfeitamente no que é confortável e cômodo para os olhos dos outros, ou você pode decidir que não vai julgar as pessoas assim e começar a quebrar esse círculo de atraso, preconceito e cafonice. Ouvir as pessoas, conhecer seu histórico e não apenas sua aparência.

E aí, qual caminho você vai tomar? Pra mim já não tem mais volta do meu. 😅

Postado por Helena Sá

Veja também