cabelos


14/01/15
Escova Pérolas de Caviar Widi Care

escova-pérolas-de-caviar-widi-care

Mês passado iniciei uma parceria linda aqui no blog, com o Salão Pinheiro’s Hair, que é aqui em Juiz de Fora. Só para vocês terem uma ideia, vão sempre rolar aqui dicas, vídeos, resenhas e muitas transformações doidas que gosto de fazer no meu cabelo. Tudo isso pois a equipe do Pinheiro’s topou entrar na onda das minhas mudanças e gostos diferentes nos cabelos.

Aguardem por um corte super legal que eu pretendo fazer no fim do mês e mais para frente tem mudança de cor também! #ansiosa

Mas hoje vou contar sobre a Escova Pérolas de Caviar Widi Care, que fiz com a Poliana lá no salão. Apesar dela ter o nome de escova, não é um produto alisante e também não possui formol.

A questão é que no verão é tenso de manter meus cabelos arrumadinhos, é muita umidade, a gente sua demais e nunca fica direitinho. Eu fazia escova ou chapinha em casa, passava 5 minutos na rua e tudo ia embora, por isso optei por fazer essa escova da Widi Care.

A Pérolas de Caviar apesar de diminuir bastante o volume dos cabelos e o frizz, não alisa completamente. Porém, eu prefiro assim, pois meus cabelos são muito finos e sensíveis, por isso prefiro tratamentos mais leves.

escova-pérolas-de-caviar-widi-care

Nessas imagens acima vocês podem ver meu cabelo seco e todo bagunçado (zero dignidade), depois da escova feita e com chapinha, e por último ele só no secador com ondas nas pontas.

Vocês podem notar que desbotou pouquíssimo do meu rosa, pois o shampoo inicial da linha é anti resíduos, que costuma retirar mesmo tonalizantes ou anilina (que é o meu caso).

resultado-escova-pérolas-de-caviar-widi-care

Na foto acima vocês podem ver o resultado dos cabelos quase 1 mês depois de fazer a escova, na foto eu estou com os cabelos secos naturalmente, sem secador. Não senti oleosidade a mais nos meus cabelos, nem qualquer tipo de dano. Mas como eu disse, a escova não é alisante, nos meus cabelos que são muito finos e maleáveis, ficou mais fácil de alisar e deixando preso em coque por um tempo, ele alisa ou ondula sozinho, dependendo da forma como é preso.

Quem quer:

  • os cabelos mais fáceis de cuidar no verão,
  • não quer agredi-los e quer um produto leve,
  • que não danifique os fios, eu super indico essa escova.

E claro, indico fortemente o Salão Pinheiro’s Hair, e não é só por ser parceiro aqui do blog, é porque fui super bem tratada e atendida lá, os profissionais são excelentes, você vê o produto que é usado no seu cabelo, é tudo explicadinho pra você, que tipo de tratamento está sendo feito, quais os componentes dos produtos. Fora o resultado que foi maravilhoso!

Para quem é de Juiz de Fora e região, o endereço do salão:

Santa Rita, 496 Centro
Juiz de Fora
(32) 3212-3895/3212-2813

Curtiram o resultado dos meus cabelos? Quem já usou essa escova, o que achou?

Postado por Ana Paula Nunes

Veja também

25/01/16
Minha rotina de cuidados com o cabelo curto cacheado

Depois de quase dois meses que cortei o cabelo. (Contei todo o processo e sobre a técnica Deva Cut que foi usada, nesse post aqui.) Resolvi falar como está sendo a rotina de cuidados com o cabelo curto cacheado.

Eu continuo lavando meus cabelos em torno de duas vezes por semana e tenho usado o shampoo da nova linha da Yamá, o Yamasterol Less Poo. Ele é ótimo para quem é adepta do low poo, não agride, não resseca e higieniza os cachos.

Para condicionar eu alterno entre o da linha Natura Sou, para cabelos ressecados, que é leve. Não sinto uma hidratação potente com ele, mas como tenho usado o shampoo que já não agride muitos os fios, não percebo necessidade de usar um condicionar muito potente toda vez que lavo. E uso também o Aussie Moist, que já acho mais forte (praticamente uma máscara) apenas uma vez na semana.

É o terceiro pote de Aussie que uso, adoro, se deu super bem com meu cabelo. E sempre usei dessa forma, intercalando com outros condicionadores e usando como uma máscara de hidratação rápida. Antes do Moist, eu cheguei a usar o Strong, mas tiveram praticamente o mesmo efeito pra mim: cabelos super hidratados, maleáveis e que parece que derretem na sua mão quando você enxagua.

Para finalizar, tenho alternado bastante, gosto de testar produtos novos e também depende muito do que quero para o meu cabelo no dia. Enfim, no geral, tenho alternado entre dois leave in: Cachos dos sonhos, da Salon Line e o Casulão (não julguem pelo nome, o produto e baratinho, mas ótimo, apesar de ter uma identidade visual péssima).

Os dois funcionam de formas diferentes no meu cabelo, o da Salon Line me deixa com os cachos mais definidos. Por outro lado, uso o Casulão quando quero ficar com mais volume, principalmente no day after. Falando em day after, essa era uma das preocupações logo que cortei o cabelo, porque antes conseguia não amassar os cachos prendendo eles num rabo abacaxi (prendendo ele bem lá no alto), mas agora já não tenho como fazer isso. Por isso,  tenho usado dois produtos diferentes para revitalizar os cachos.

Uso a Mousse + Volume da Eico Cosmetic, que ajuda a dar volume e corpo para os fios. Diferente de outros mousses que já testei, esse tem uma textura mais leve e achei a aplicação mais fácil. Gosto de usar quando quero apenas revitalizar alguns fios e aumentar o volume sem me importar com frizz. E tem também a outra novidade da Salon Line, o Gel Day After Como se fosse a primeira vez. Ele redefine bem os cachos, seca rápido e diminui o frizz, ótima forma de arrumar os fios de manhã sem precisa molhar o cabelo, sabe?!

rotina de cuidados com o cabelo curto cacheado

Do shampoo ao day after: todos produtos que tenho usado

Bom, é isso! Essa é a forma como estou mantendo o corte novo, em outro momento comento sobre as máscaras e tratamentos. Se tiver mudanças ou descobrir novos produtinhos, aviso por aqui.

E se vocês já usarem algum desses produtos que falei, comentem o que acharam e se deu certo com vocês.

Postado por Ana Paula Nunes

Veja também

19/01/16
Vestido preto plus size

Finalmenteeee, aos 19 dias do ano de 2016 eu resolvo iniciar o ano do Garotas! Era pra ser on, avisei no ig e fb, mas tivemos um problema de hospedagem e né, então tá, o ano do bloguinho começa hoje!

E a gente já começa com look, e com um vestido preto plus size maravilhoso que eu desejava há tempos. Ele tem tudo que eu amo em modelagem de vestidos, acinturado, com a saia rodada e justo na parte de cima.

vestido preto plus size

Esse vestido tem um estilo mais chique, comprei exatamente para ir a um casamento. Mas não tem roupa clássica que eu não consiga tumultuar com acessórios e sobreposição! 😀

profissão perigo

Me sentindo o MacGyver com esses óculos estilo aviador espelhados. Totalmente profissão perigo!

Notaram que os acessórios, o batom e a sandália, tá tudo azul? Pois é, um pouquinho de cor nesses dias chuvosos e frios maravilhosos que estamos passando nesse verão atípico.

look camisa cropped plus size

Essa camisa cropped me conquistou, amei o modelo a tampa floral e principalmente, achar um cropped que serve em gorda na sessão regular da loja!

look vestido preto plus size

Adoro esse tipo de sandália que já usamos muito nos anos 90, com salto grosso e esse estilo melissa.

*Não curto a falta de diversidade e a não inclusão negra e plus size da Petite Jolie, tenho 2 sandálias da marca e não vou jogá-las fora, mas não é uma empresa que eu apoie.

look com vestido social plus size

Eu usei:

  • Vestido preto, Quintess;
  • Camisa cropped, Marisa;
  • Óculos aviador, Closet Dona Onça;
  • Sandália, Petite Jolie;
  • Pulseiras, Adornare;
  • Anel, Forever 21.

pontos de cor no look

Adorei essa combinação da camisa como vestido, ele não tem mangas então fica legal acompanhar uma camisa leve no verão. Fora que é um jeito de ma peça mais social como esse vestido e poder usá-lo em diferentes ocasiões. 😉

macgyver

E aí, curtiram meu visual? Tenho certeza que o MacGyver aprovou! 😀

Créditos:

Postado por Helena Sá

Veja também

05/01/16
Qual é o pente que te penteia e meta para 2016

Semana passada eu, finalmente, visitei uma exposição super bacana que está acontecendo aqui em Juiz de Fora. Queria ir já há algumas semanas, mas misturou fim de férias e fim de ano e as semanas começaram a ficar bem mais corridas e acabava adiando.

A exposição de fotos chama “Qual é o pente que te penteia” e fica disponível no Espaço Cultural Correios (em Juiz de Fora) até dia de 16 de janeiro. Então, ainda dá tempo de você também conhecer! Corre!

Pelo nome e pela arte de divulgação (que está lindona) eu fiquei mega ansiosa pra visitar logo. Sim, o nome é o título de uma música antiga que você com certeza já cantarolou por aí, mas me diga, você já parou pra pensar o quão preconceituosa essa música é?

“Nega de cabelo duro,
qual é o pente que te penteia?”

qual-é-o-pente-que-te-penteia

Pois é, tem tanta coisa que a gente reproduz e nem se dá ao trabalho de pensar sobre, não é? É aí que mora o perigo, bem aí que mora o preconceito também! Em uma aula sobre Ideologia, meu professor da Pós-Graduação em Mídia, Informação e Cultura da USP (um dos professores mais sensacionais que já pude ter) explicava que o grande lance da ideologia é isso, fazer com que reproduzamos discursos preconceituosos, machistas, homofóbicos sem questionar, ou sem ao menos hesitar.

No entanto, quando nos damos conta da existência disso, dessa consciência social que impregna a gente, por mais que um pensamento preconceituoso ou machista percorra nossa cabeça, a gente começa questionar. E desde então, eu me questiono sobre músicas, filmes, livros e ditados populares (esses são terríveis).

exposição
Certo, mas pra quê tudo isso? Bom, porque a exposição está linda. Todas 38 fotos de mulheres negras com seus cabelos crespos, com dreads, tranças, turbantes ou mesmo com black power são maravilhosas.

E enquanto eu admirava cada foto eu só conseguia pensar no quanto o padrão de beleza é excludente e sem maior sentido. Quem disse que a mulher negra não é linda? Que disse que ter tranças e dreads não pode ser maravilhoso?

Exposição2
Tem todo um contexto histórico e social nessa luta, mas vale lembrar a gente a aprende. A gente pode mudar discursos, podemos parar de reproduzir falas que colaboram com tudo isso.

Então, para 2016 ficam aí duas metas: visitar essa exposição maravilhosa e se questionar mais sobre todas essas falas prontas que temos em nossa cabeça, ok?

Postado por Ana Paula Nunes

Veja também

15/12/15
Você não precisa estar escovada para se sentir elegante

penteados

Para vocês se inspirarem e arrasarem no fim do ano, fiz uma seleção com alguns penteados lindos.

O fim do ano está aí, repleto de presentes e claro, festas, confraternizações e reuniões em família. É aquela época em que todo mundo quer estrear uma roupa nova, uma maquiagem trabalhada e também um penteado bacana. E se você é cacheada, eu aposto que chegou a pensar, em determinada fase da sua vida, que esse era o momento para fazer uma escova, não é mesmo?

Infelizmente, existe um fenômeno social que nos faz acreditar que cabelo crespo ou cacheado não é sinônimo de elegância e que não é aceito em eventos mais formais. Sempre que pensava em ir para formaturas ou mesmo casamentos eu me sentia na obrigação de fazer uma escova e alisar meu cabelo para ficar com uma cara de “arrumada”, sabe?! Caso eu não fizesse (muitas vezes eu não fiz) eu achava que não estava à altura de tantos penteados alisados e cheios de laquê. Aquela ideia de que  você precisa estar muito bem escovada para se sentir elegante.

Enfim, a sociedade cria padrões para serem seguidos e todo mundo está cansado de saber isso, não é? Mas, nossa, é muito mais difícil se desvencilhar das vozes que insistem em martelar em nossas cabeças depois de anos acreditando que os padrões impostos e expostos eram o ideal. É um exercício diário, sim! E abrange inúmeros aspectos de nossas vidas.

E estou aqui hoje para dizer: o seu penteado não precisa e não vai ser igual ao de garotas lisas! E nem por isso vai ser menos legal ou menos elegante. Vai ter frizz? Vai ter frizz! Vai ter ondas? Vai ter ondas! E você vai estar linda? Sim!
Eu sempre fui louca com trança, sempre achei muito bonito, mas meu cabelo sempre foi super cacheado, a trança não ficava igual ao dos cabelos longos das minhas amigas lisas. Assim como meu rabo de cavalo também não fica. Nunca ficou! Nunca vai ficar! Preciso sofrer com isso? Não, não preciso. Tem uma porção de penteados que ficam lindos em crespas e cacheadas. Eu, por exemplo, escolhi casar com o meu cabelo cacheado e nem por isso me senti menos “noiva”.

O grande lance dessa história toda é você se aceitar e se sentir bem com você mesma. Tentar vencer todos os dias os preconceitos enraizados em nossa mente e ser capaz de ser você mesma em qualquer dia, inclusive nas comemorações, festas e os grandes eventos que aparecerem. Afinal, por que teria que ser diferente, não é mesmo?

Postado por Ana Paula Nunes

Veja também

01/12/15
Meu Deva Cut na Clínica dos Cachos

 

Desde minha transição, eu cortei meu cabelo curto algumas vezes, mas, nos últimos anos eu vinha mantendo os fios mais longos. Ano passado, eu tive algumas crises e quis cortar, porém, como era o ano do casamento, preferi manter o comprimento para fazer o penteado preso que eu tinha em mente.

Bom, o casamento passou e eu acabei desencanando de cortar, porém, nos últimos meses eu vinha percebendo que por mais que mudasse a finalização ou trocasse de creme para pentear, por exemplo, os cachos estavam com pouco volume e sem muita definição. E apesar de não ter percebido queda ou algo assim, a sensação é que meu cabelo tinha afinado. Então, decidi que era uma boa hora para fazer um corte e mudar o comprimento.

deva-cut-antes

Meu cabelo antes

Aí, começou a saga de procurar algum salão ou profissional especializado em cachos, afinal eu não queria cortar apenas por cortar, tinha algumas considerações para fazer ao profissional. Pesquisei e cheguei até a Clínica dos Cachos. Um dos poucos lugares que usam a técnica Deva Cut e todos os produtos da linha Deva Curl (desenvolvidos especialmente para cachos e 100% livre de sulfato, silicone e parabenos)  na hora de higienizar o cabelo. Antes de ir, eu pesquisei o que era o tal Deva Cut e descobri que é uma maneira de cortar os cachos e que utiliza as madeixas secas para eliminar os pontos certos, cacho a cacho, e assim definir o formato do cabelo e aumentar a definição.

Vi alguns vídeos e depoimentos de quem já tinha ido ao estúdio e resolvi aproveitar minhas férias e marquei para a semana que estaria em São Paulo visitando meus pais, a Clínica fica na zona sul, próxima à estação Santa Cruz do metrô.

Cheguei no salão, que só tem pessoas cacheadas e crespas trabalhando, coisa linda de ver tantos formatos, texturas e lindos cortes assim na sua frente. Bom, a Daniela que me atendeu, conversei com ela e expliquei que queria um pouco mais de volume, que poderia tirar comprimento e também queria mais suavidade para o meu rosto. Ela perguntou se poderia deixar o corte redondo, mas com bico, mais assimétrico, eu disse que achava que sim. Ela então disse que cortaria assim e se no final eu preferisse tirar o bico, ela faria.

Assim, ela começou a cortar o meu cabelo seco, sem pentear ou escová-lo. Ela pegava cacho a cacho e cortava determinadas partes. Depois disso higienizaram meu cabelo com o No poo da Deva (porque minha raiz não é oleosa, se fosse, seria usado o Low poo), em seguida o One Condition foi aplicado. Como eu disse que queria o meu cabelo com mais volume, eles não aplicaram o Angel que é um dos finalizadores mais conhecidos da marca, usaram o Mousse Volumizing Foam no cabelo ainda bem molhado, apenas com o excesso de água retirado com as próprias mãos.

Deva Air 360Depois disso eu fiquei sentadinha esperando meus cachos secarem no Deva Air 360 (quero um desse em casa, gente). Que é um secador de torre da marca, onde você encaixa no topo o secador comum e ele vai distribuir por igual o calor e sem criar vento ou atrito com os cachos.

Com o cabelo todo seco a Dani amassou para tirar o aspecto de durinho que o mousse deixa e finalizou o corte. Tirou qualquer ponta que poderia ter ficado e como eu curti muito o assimétrico, nós mantivemos o corte com bico.

Eu adorei a experiência, curti muito a mudança e o resultado. O meu Deva Cut na Clínica dos Cachos super definiu os cachinhos. Achei ótimo conhecer a linha Deva Curl que eu já tinha lido muito sobre, mas ainda não tinha tido oportunidade para usar.

deva-cut-depois

Resultado do meu Deva Cut

Vou fazer outro post sobre como está sendo a rotina de cuidados agora com os fios mais curtos e quais produtos estou usando para finalizar, já que não tive coragem para dar os quase R$ 80 reais no mousse da Deva.

Postado por Ana Paula Nunes

Veja também

18/11/15
Passei boa parte da vida tentando mudar meu cabelo

Eu tenho 27 anos. Passei boa parte da vida tentando mudar meu cabelo, não aceitando o meu cabelo. Tentando transformá-lo, aos poucos, naquilo que eu achava que era mais bonito. Naquilo que a sociedade me mostrava que era mais bonito, através de novelas e revistas.

Fiz amaciamentos, relaxamentos e progressivas. Comecei aos 14 anos de idade, querendo aquilo que era o meu sonho na época, um cabelo liso e com as pontas levemente cacheadas. Não preciso dizer que não funcionava, né? O cabelo crescia e dois dedos de raiz cacheada eram suficientes para acabar com o sonho mês a mês.

Aos 17 anos, com o cabelo já bastante fragilizado, resolvi alisar de vez. Achei que a nova vida de estudante de jornalismo pedia um cabelo liso, mais próximo dos padrões televisivos. E por isso, resolvi fazer uma progressiva e um relaxamento juntos. O cabelo não ficou liso, ficou esticado, ressecado, e eu ainda precisava fazer escovas para ele ficar modelado.

cabelo com progressiva

Meu bota-fora pré mudança para Viçosa, onde fiz a faculdade.

Menos de seis meses foram suficientes para eu me arrepender e perceber que não queria mais aquilo. Já não me lembrava do meu cabelo natural, resolvi que o deixaria crescer e esperar toda a química sair. Passei pela transição sem saber o nome dela, não existiam grupos ou informações pela internet. Fiquei um ano com duas texturas no cabelo e vivendo com ele preso. Não foi fácil, claro, mas eu estava determinada a não voltar atrás.

Já com vários dedos de raiz cacheada, durante a transição

Já com vários dedos de raiz cacheada, durante a transição

Depois de um ano de transição fiz o meu primeiro big chop (cortei o cabelo para tirar a maior parte de química possível), que na época não foi tão grande assim porque meu cabelo já estava curto. Quando eu vi meus primeiros cachos surgirem depois disso, prometi a mim mesma que nunca mais faria nada para modificá-los. Eu os aceitei pra sempre naquele momento

Um ano depois do primeiro big chop

Um ano depois do primeiro big chop

E cá estou eu, nove anos depois disso tudo, feliz e aplaudindo de pé toda vez que vejo pessoas falando sobre deixar os cabelos naturais. Sei que transição é difícil, muuuito difícil. Mas, estudei, li e aprendi que cabelo pode ser muito mais que estética. Aceitar o seu cabelo pode ser um ato político. Por isso, toda vez que vejo uma mulher em transição na rua eu tenho vontade de dar um abraço e dizer: “Ó, vem cá! Você não tá sozinha, cara! Tô aqui, te dou força!” Como sei que isso não é possível, não dá pra abraçar todo mundo, me propus a abraçar virtualmente o máximo que conseguir.

atual

E já ia esquecendo de me apresentar: eu sou a Ana Paula, jornalista, mãe de dois gatos, e agora faço parte da equipe do Garotas Rosa Choque.

Postado por Ana Paula Nunes

Veja também