Livros


06/06/14
[Livro e Série] Orange is The New Black #OITNB

 

orange-is-the-new-black

A segunda temporada de Orange is The New Black está chegando e eu não poderia estar mais animada para essa estréia. O seriado foi considerado a melhor série de dramédia de 2013 e não foi para menos. Além de esse ser meu gênero favorito de séries e filmes, Orange is The New Black é original e muito interessante.

Para quem ainda não sabe sobre o que se trata, a série conta a história de Piper Chapman, uma mulher de classe média alta, bonita e estudada que levava uma vida pacata e comum com o seu noivo e que, por um deslize do passado, acaba sendo presa.

orange-is-the-new-black

É na prisão federal que Piper acaba reencontrando a pessoa que foi o motivo por sua prisão e é lá que também terá que enfrentar diversos outros problemas. Dentre eles a Crazy Eyes, uma mulher que se apaixona por Piper  e a pega para cristo insistindo em fazer dela a sua esposa. 

O mais interessante da estória é que é baseada em fatos verídicos e a Piper Chapman (Piper Kerman na vida real) contou tudo em um livro.  Ela apresenta todos os casos curiosos, perturbadores, emocionantes e engraçados da rotina no presídio federal e percebe que lá, apesar de estar cercada de criminosas, todas aquelas presidiárias são muito mais complexas do que ela imaginava.

Enquanto Chapman narra a luta que é aprender a conviver com essas mulheres e todas as regras da prisão, também é discorrido sobre a crueldade do sistema carcerário.

É por isso que apesar de emocionante e engraçado, a estória de Piper tem grande importância social. Depois de cumprir sua pena, a autora se envolveu com o movimento de reforma prisional nos Estados Unidos e até hoje participa do conselho da Associação de Mulheres na Prisão.

Para quem ainda não viu, a série está disponível no Netflix e o livro foi lançado esse ano pela editora Intrínseca. A segunda temporada estréia hoje, então fiquemos ligados !

orange-is-the-new-black

Postado por Carina Silva

Veja também

08/04/15
[Resenha] Um Mais Um

um-mais-um

Um mais Um foi o primeiro livro que li da Jojo Moyes, autora de Como eu era antes de você, e a premissa dele me pareceu interessante: um livro sobre viagem na estrada. Mas, ao contrário do que se espera de histórias de viagens, esse não tem jovens aloucados, sexo, drogas e rock n’ roll, e sim uma família que precisa muito enfrentar seus monstros para permanecer unida e forte.

Jess é uma mãe solteira no início dos 30 anos que foi deixada pelo marido. O motivo? O indivíduo “pai de família” alegou estar sob muita pressão e entrando em forte depressão, por isso , decide largar os dois filhos a mercê e voltar para a casa da mãe.

Para sustentar sua filha Tanzie que está no ensino fundamental e o enteado Nicky (filho do relacionamento anterior do seu super/ex marido), Jess trabalha como faxineira de casas ricas da cidade de manhã, e a noite é garçonete em um pub. É angustiante ler como ela se vira com o dinheiro, adiando o pagamento das contas até cortarem a energia como aviso, contando o dinheiro para fazer as compras da semana e tendo que fazer as próprias roupas da filha. Além de tudo isso, Nicky sofre um bullying violento na escola, passa o dia inteiro trancado no quarto jogando no computador e só consegue dormir se fumar maconha.

Uma das casas caras que Jess limpa pertence a Ed. Um homem adulto recém divorciado, dono de uma empresa de tecnologia que desenvolve softwares. Ex-geek na escola e na faculdade, Ed abriu uma firma com o melhor amigo e passou a levar uma vida de rei. Longe da família, cheio de grana e prestes a lançar um programa que elevaria suas finanças ainda mais, ele reencontra uma antiga paquera da faculdade e a convida para sair.

Seria a vingança dos nerds, afinal, agora ele era um homem rico e a moça mais popular da faculdade está sob os seus pés louca para transar com ele. Só que depois que isso acontece, a belíssima moçoila não larga dele e todo aquele encanto de mulher segura, intocável e perfeita começa a se esvanecer quando ela conta da separação sofrida que teve que passar, sua depressão e dívidas.

Querendo dar o fora na mulher e sem saber como, Ed resolve contar a ela da incrível empreitada que sua empresa está prestes a lançar e sugere que ela invista nas ações. É quando as coisas reviram e ele cai em uma roubada. Com o grande lucro que a moça ganha, os acionistas acusam Ed de uso de informações privilegiadas e ele é processado sob o risco de ser preso.

O mundo de Jess e Ed se cruzam quando, além de ela limpar sua casa, Tanzie recebe a proposta de estudar em uma escola para gênios. Mas, mesmo com uma bolsa de 90%, a escola é muito cara. Jess sendo uma mulher forte e positiva, encontra um jeito: inscrever sua filha em uma olimpíada de matemática para ganhar o prêmio em dinheiro e conseguir pagar a escola.

Jess, Tanzie, Nicky e seu enorme cachorro de estimação Norman partem para a estrada, e mesmo antes de colocar o pé na tábua o carro quebra. Ed, que está a caminho da casa de seus pais para avisar do processo que iria sofrer, resolve ajudar a família.

um-mais-um

A força de Jess é surpreendente. Não sei como sobreviveria se estivesse no lugar dela. É uma daquelas personagem  que, não importa o que aconteça, sempre vai dar um sorriso e falar “tudo vai ficar bem”. Ela acredita fielmente em algo que também acredito, coisas boas acontecem para pessoas boas e “trate os outros como você gostaria de ser tratado”. Porém , como a vida não é sempre justa, a personagem começa a perder a força em alguns momentos. Isso é a abertura para sua aproximação com Ed, o homem que achava repugnante.

O que me incomodou um pouco no início do relacionamento dos dois foi o fato de que Ed era alguém para salvar Jess: a mãe pobre, que não sabia como ajudar o enteado problemático e a filha desajeitada, casa com um homem rico que ocupa o lugar do pai irresponsável e a salva de uma vida ruim. Mas, para minha surpresa, as coisas não acontecem exatamente dessa maneira. É então que o nome do livro faz sentido. “Um mais Um”. É justamente a soma dos dois que faz as coisas darem certo. Jess salva Ed na área em que ele precisava ser salvo, nos relacionamentos com a família e a insegurança, enquanto ele não deixa ela derrubar a peteca.

Assim como a maioria dos livros de viagem, Um mais Um mostra que, no final de tudo, não importa o destino e sim o trajeto.

Com uma narração clara, mas não pobre, é um livro leve que consegue fugir dos clichês, unindo personagens diferentes e cativantes.

Postado por Carina Silva

Veja também

02/02/15
[Resenha] Não Sou Uma Dessas

não-sou-uma-dessas

Quem assiste Girls sabe que a personagem principal, Hannah, é aspirante a escritora. O livro no qual ela vive trabalhando é nada mais do que a história da sua vida e experiência como uma jovem mulher da geração Y. E esse livro existe: Not That Kind Of Girl foi escrito pela própria Hannah. Ops. Lena Dunham.

A “confusão” é porque é quase impossível não comparar as duas. Uma vez que  Lena, além de interpretar Hannah, é a roteirista e diretora da série e usa muito da sua personalidade e vida na série.

Pode parecer um pouco de prepotência e egocentrismo, afinal, o que uma garota de vinte e poucos anos, criada em Nova Iorque, com pais artistas e uma trajetória acadêmica de dar inveja a qualquer “artista wanna be”, teria para falar de interessante? Pois é, eu também não sei. Só sei que Lena tem. E ela fala. Ô se fala.

Palavrões não são poupados, descrição de transas mal sucedidas, brigas e acontecimentos íntimos dos familiares, pensamentos vergonhos… Lena não poupa saliva e não tem, absolutamente nenhuma, vergonha na cara. Ela é o tipo de mulher que admiro. Daquelas que exalam tanta verdade e personalidade que acaba se saindo como ridícula para as socialites da vida.

Mas quem liga? Eu não. Eu quero ouvir histórias escrotas e relatos sobre TOC, estupro, sonhos, micos alheios e dissecações da vida.

Não vou dizer que Não Sou Uma Dessas não tem asneiras. Tem. Lena consegue ser sem noção e, às vezes, “pregar” um feminismo que carrega aspectos que eu não curto muito.

A prepotência dela me irritou às vezes (afinal, uma garota com a criação e oportunidades como as que ela teve, tinha que se tornar, no mínimo, o que é hoje). Isso porque, talvez, se Lena tivesse tido uma vida um pouco mais normal e não corresse tanto atrás de amizades e situações bizarras, o livro se tornaria mais verdadeiro, e não uma dramédia muito boa, mas que não engana, porque, no fim, a gente sabe que foi tudo friamente escrito e calculado.

 Meus trechos favoritos (não todos, porque alguns você tem que ler no livro mesmo):

“Não há nada mais corajoso para mim do que uma pessoa anunciar que sua história merece ser contata, sobretudo se essa pessoa é uma mulher. Por mais que tenhamos trabalhado muito por mais longe que tenhamos chegado, ainda existem muitas forças que conspiram para dizer às mulheres que nossas preocupações são fúteis, que nossas opiniões não são relevantes, que não dispomos do grau de seriedade  necessária para que nossas historias tenham importância. Que a escrita pessoal feminina não passa de um exercício de vaidade e que nos deveríamos apreciar esse novo mundo para mulheres, sentar e calar a boca.”

“Eu era trabalhadora. Merecia beijos. Merecia ser tratada como um pedaço de carne, mas também ser respeitada pela minha inteligência.”

“A Barbie é distorcida. Não tem problema brincar com ela, desde que você se lembre disso.”

“Nunca desejei ficar com mulheres; eu desejei ser essas mulheres.”

“Há dois tipos de mulheres em especial que despertam minha inveja. O primeiro é a exuberante, alegremente ocupada de manhã, à noite, capaz de desfrutar almoços em grupo, tirar férias espontâneas em Cartegena com as amigas e planejar chás de bebês para outras pessoas. As grandes questões existências não parecem afetá-la, e ela consegue limpar o forno sem pensar sequer uma vez: “ Para que fazer isso? Vai ficar sujo de novo de qualquer jeito, e depois vamos todos morrer. Por que eu simplesmente não enfio a cabeça?”

“A ambição é uma cosia curiosa: ela se infiltra quando menos se espera e te faz ir a diante mesmo que você prefira ficar parada.”

“A autoconfiança pode fazer qualquer coisa dar certo. Até mesmo sandálias com meias.”

“É horrível quando quem você odeia consegue coisas que você deseja.”

 “Penso bastante sobre o fato de que todos nós vamos morrer. Penso nisso nos momentos mais inoportunos.”

“E decidi que nunca sentiria inveja. Nunca seria vingativa. Nunca seria ameaçada pelo velho ou pelo novo. Vou desabrochar como uma flor todas as manhas. Vou fazer o meu trabalho.”

Postado por Carina Silva

Veja também

06/01/15
[Resenha] O Presente do Meu Grande Amor

o-presente-do-meu-grande-amor-resenha

O Presente do Meu Grande Amor foi justamente o livro que precisava para entrar mais um pouco no clima das festas de fim de ano. É uma junção de doze contos super fofos de diversos atores autores americanos que, com exceção da Raibow Rowell ( autora de Eleanor & Park), não conhecia.

As histórias que se passam no  Natal e Ano Novo são perfeitos para quem adora o climinha de fim de ano, luzes, árvores com enfeites fofos e o sentimentalismo inevitável.

Como são doze histórias, acho muita coisa para contar aqui para vocês, então vou falar sobre meus dois favoritos:

o-presente-do-meu-grande-amorÉ um milagre de Yule, Charlie Brown” – Stephanie Perkins ( autora de “Anna e o Beijo Francês”)

Conta a história da jovem Marigold que saiu do ensino médio e quer se mudar o quanto antes da sua cidadezinha pacata para trabalhar com o que mais gosta: animação. Ela tem um canal no Youtube onde coloca suas criações e agora, para um papel importante da sua nova animação, precisa da voz do vendedor de pinheiros. Por esse motivo passou a ir mais vezes do que gostaria no lugar que vende as famosas árvores de Natal enquanto tenta juntar coragem para falar com o dono da voz magnífica, que não é nada feio, e pedir seu favor estranho.

Anjos na Neve” – Matt de La Peña

É um conto que não tem lá muito cenário de Natal, mas sei lá porque tem um climinha gostoso de festas. A história toda é narrada por um estudante universitário com descendência mexicana que está passando fome em um apartamento chique na véspera de Natal longe de sua família. Shy está cuidando da gata de um homem com dinheiro que esqueceu de fazer as compras do mês e o deixou só com algumas fatias de pão e iogurte.  Enquanto vigia a gata, toca violão, olha a neve do lado de fora e passa fome sozinho, uma garota bate na sua porta pedindo ajuda para consertar o encanamento do seu apartamento. Eles são as únicas pessoas que não saíram de Nova York e voltaram para seus lares.

O Presente do Meu Grande Amor tem conto para todos os tipos de gosto, quem adora um romance real, romances improváveis, casal de fantasma com vivo, gays, humana com duende e muito amor e amizade. É ótimo para ler no final do ano, mas isso não quer dizer que ler ao longo dele vá ser chato. É um Young adult delicinha e meigo. O lado ruim? Dá muita vontade de ver neve.

Um ótimo 2015 para todos e que venha mais livros, filmes, séries e coisas boas para falar!

Postado por Carina Silva

Veja também

29/10/14
em: Livros
Livros fofos que eu quero ler

livros-fofos

Livros fofos que eu quero ler, são vários. A maioria por culpa do Nicholas e do João, mas novos foram adicionados a lista depois da minha visita ontem a Livraria Arco Íris. Minha amiga de infância, Marcela, trabalha lá e fica me mostrando essas tentações!

livros-fofos

Para começar, desejei demais ler Zumbis x Unicórnios, e a Marcela acertou em cheio ao me mostrar, pois eu amo zumbis e unicórnios! <3

Mas além do amor à primeira vista, fui procurar saber mais sobre o livro, que é um projeto muito legal de Justine Larbalestier e Holly Black. Cada uma reuniu 6 autores para cada lado. E a partir daí cada autor de cada time escreveu um conto para defender o seu ser fantasioso. Então imaginem que em Zumbis x Unicórnios tem todo tipo de histórias maravilhosas sobre eles.

Zumbis x Unicórnios é da editora Galera Record.

livros-fofos

Essa série de livros é mais uma que já começou a me ganhar pelos títulos – Eu amo New York e Eu amo Hollywood. E além disso, pela sinopse deu muita vontade de ler, pois aparentam ser histórias leves, que misturam viagem, moda, romance… ou seja, um pouco de coisas lindas dessa vida não é? A autora é a Lindsey Kelk e a editora é a Fundamento. A série ainda conta com Eu amo Paris.

livros-fofos

Ahhh! O Geek Girl vol.1 eu ganhei e já vou ler! Mais uma vez a Marcela viu e lembrou de mim, achou a minha cara, eu vou descobrir porque em breve! Também da editora Fundamento essa série da Holly Smale, conta a trajetória de uma nerd (geek), desde a escola, até acontecimentos que vão transformar a vida e os gostos dela absurdamente. Em breve tem resenha dele aqui né! <3

Ah, antes que venha alguém reclamar que são livros para jovens, de menininha, ou coisa do tipo. Já aviso que eu leio de tudo e não fico olhando a classificação ou rotulagem, se a história, resenha, sinopse me interessa, eu leio. 😉

E vocês, quais os livros fofos que estão desejando ler no momento?

Postado por Helena Sá

Veja também

27/10/14
Resenha: Ele está de volta

ele-está-de-volta

Um livro que me fez rir sem me dar conta de que estava lendo um livro que não pensava que seria considerado de comédia, até mesmo porque o personagem principal é ele: Hitler. E sim, aqui, “Ele está de volta”, e o mais interessante: nos dias atuais.

No livro escrito por Timur Vermes, o Füher acorda em um terreno na Alemanha completamente desentendido e ainda usando seus trajes formais. Quando levanta tentando entender como havia parado ali, percebe que há algo errado. Ele está no futuro. Muito mais no futuro.

Perdido e desorientado, tenta pedir informações para quem está passeando pela rua e fica furioso ao perceber como as pessoas ousam não respeitá-lo, e o pior, os que fazem a saudação alemã, insistem em fazê-la de maneira errada. Depois de perder alguns minutos tentando entender como havia parado ali, Adolf começa a passar mal e um bondoso dono de banca de jornais o ajuda.

ele-esta-de-volta

Por estar caracterizado e começar a soltar seus discursos (muito) bem feitos, o dono da banca logo percebe que além de se tratar de um sócia parecidíssimo, o senhor ali era um excelente ator. Então promete chamar alguns produtores que o ajudarão a ficar famoso. Em uma inocência cômica, Hitler gosta da ideia de ser apresentado aos tais “produtores” e começa a bolar novos planos, sem saber que, na verdade, estava sendo escalado para um programa de comédia.

É muito claro que para escrever “Ele está de volta”, o autor pesquisou muito sobre Hitler. Seus “novos” discursos, narrados na história, super poderiam ter sido feitos pelo próprio. E o mais assustador (que aconteceu comigo, pelo menos) foi o poder de persuasão que aquelas palavras possuem.

É claro que não se trata só do nazismo e do Hitler em si. O que eu gostei muito no livro, foram as observações do personagem sobre o mundo de hoje. Sobre como o conteúdo que consumimos é terrível, e como a nossa sociedade atual está sendo governada por um mídia que pode até ser considerada livre, mas que não exerce essa liberdade da melhor maneira, e ao invés de informar e expandir os horizontes, acaba criando cidadãos que não pensam e passam a dar importância ao que, na verdade, deveria menos importar.

Ao longo do livro, o que eu já havia comentado ali em cima começa a tomar tendências mais assustadoras. Começo a concordar com coisas que Hitler diz. E então, com um peso na consciência, começo a entrar em conflito com meus valores. O que é ótimo, eu acho, afinal livros que te fazem questionar sobre qualquer coisa são válidos. Questionar-se é válido e importante.

“Ele está de volta” é um livro narrado em primeira pessoa que ridiculariza Hitler, sua postura e suas idéias absurdas na medida certa e o mais importante: ridiculariza nós mesmos, que conseguimos engolir tudo o que nos é dito e posto em frente a uma tela de computador.

Claro que o livro tem seus defeitos, muitas vezes caí no tédio ao longo da leitura e viajei durante os discursos. Mas como não lembrava do que se tratava quando comecei a ler, não criei expectativas. No geral, é bom. Fazer o leitor desdobrar questões e rir ao mesmo tempo, foram duas junções geniais.

Postado por Carina Silva

Veja também

24/07/14
[Resenha] Tempos Extremos

resenha-tempos-extremos

Larissa é uma mulher adulta que abandonou sua profissão de jornalista, para estudar História, sua verdadeira paixão. Com a chegada do aniversário de sua avó Maria José, para comemorar, ela e toda sua família vão para uma fazenda em Minas Gerais, um grande casarão antigo cheio de história e lembranças. Uma dessas histórias é que lá habitam espíritos e justamente Larissa, a única total descrente nessas lendas, começa a ver pessoas que morreram há muitos anos atrás.

Tempos Extremos é o mais novo lançamento da escritora e jornalista Míriam Leitão e é um livro que mixa fantasia à realidade, mistérios, personagens interessantes e ainda de quebra contém a história do Brasil como pano de “fundo”. No começo da história é notável como a família da protagonista é carregada de discordância.

A começar pelos irmãos Alice, mãe de Larissa, e Hélio, seu tio. Ela lutou contra a Ditadura Militar, foi presa e torturada e ele escolheu o caminho totalmente oposto permanecendo do lado dos Militares. Com a prisão de Alice e o desaparecimento do pai de Larissa nos tempos da opressão, Hélio virou inimigo número um de Alice. Já o outro irmão caçula, Marcos, que não teve sucesso profissional, balança entre as desavenças dos irmãos e procura esquecer dos problemas e brigas familiares executando um velho hábito de juventude: fumar um baseado.

Com a falta de assunto com seus primos,  acusações constantes da mãe sobre sua indecisão, o abandono repentino da profissão e o fato de sempre viver no passado, e o distanciamento do marido Antônio, ainda jornalista, Larissa começa a receber visitas de espíritos de escravos que habitaram a fazenda. O velho escravo Constantino pede uma ajuda a ele referente a seus dois filhos Bento e Paulina.

crítica-tempos-extremos

Ao longo da história segredos surpreendentes da família são revelados sempre fundindo passado com presente de uma maneira instigante. Temas densos e importantíssimos da história do nosso país são retratados de forma leve em uma narração deliciosa que prende sua atenção não apenas pela descrição, mas pela curiosidade que desperta.

Os personagens divergentes carregam um pouquinho da história do Brasil e em meio a conflitos, perdas, desavenças e paixão conseguem retratar o que foi viver em tempos tão extremos. Talvez, para quem não está acostumado, possa parecer um livro sério e cansativo, mas não é.

Tempos Extremos é uma aulinha de história divertida, misteriosa e instigante que vai passar em um piscar de olhos e deixar gostinho de quero mais. Recomendado!

Postado por Carina Silva

Veja também