Livros


29/06/15
[Resenha] Sua voz dentro de mim

Sua voz dentro de mim

Quando tinha 22 anos, a roteirista inglesa Emma Forrest chegou em seu apartamento em Nova York e resolveu se matar. A tentativa, no entanto, foi falha. Emma sobreviveu e passou a frequentar um psiquiatra. O gentil e competente Dr. R. Profissional que, nas palavras da autora, salvou a sua vida.

Sua voz dentro de mim” é uma autobiografia da escritora/jornalista/roteirista Emma Forrest, lançada em 2013 pela editora Rocco, que narra especificamente sua relação com a instabilidade mental e principalmente com o psiquiatra que a ajudou nos momentos mais conturbados da sua vida jovem.

Emma começa contando como sua relação com o desejo de morte se iniciou quando ela era uma criança que via o quadro de Ofélia, afogada em meio as flores, e chorava comendo batatas chips. Logo assim, dá para perceber que nada, especificamente, gerou os problemas mentais que ela diz sofrer no livro de pouquíssimas páginas. Emma se corta, tem bulimia, e Mania ( quadro  oposto à depressão, se apresentando com euforia. Uma das fases do transtorno bipolar – fiz minha pesquisa, porque ela não explica isso no livro).

E então, logo aSUA_VOZ_DENTRO_DE_MIM_1363119997Bpós sua tentativa de suicídio, Emma abre sua mente acelerada e bem humorada pelas próximas páginas. Os detalhes das crises e pensamentos depressivos são escritos com muita leveza e senso de humor (superestimado nas críticas, devo dizer). Mas o que acaba deixando o livro interessante é própria vida interessante que Emma leva em meio a sua insegurança e relacionamentos ruins.

Provável filha de pais ricos, ela entrevista celebridades, frequenta casas de celebridades e aluga casas de celebridades. Temos, por exemplo, a participação especial de Heath Ledger na história e muitos outros famosos que ela não chega a falar o nome. Sem contar, claro, no famoso MC (Marido Cigano), ou, como todo mundo já sabe: Colin Farrel, um dos relacionamentos que mais a machucou.

Mas é legal  falar um pouquinho da pessoa que a inspirou a escrever “Sua voz dentro de mim”: Dr. R, se todos os psiquiatras fossem como ele, muitas pessoas não precisariam tomar medicamentos pela vida toda. Pela descrição de Emma, ele foi um homem que fez quase o papel de um psicólogo, a ouvindo e aconselhando de uma maneira humanizada. Claro que só Deus sabe o que ele anotava em seu bloquinho. Mas a relação especial que esse médico desenvolveu com Emma, e outros inúmeros pacientes, foi algo singular.

“Sua voz dentro de mim” é rápido e, antes de começar a ler, é bom ter em mente que o foco é a relação dela com o seu psiquiatra. Os pontos positivos da história são por Forrest ter conseguido falar sobre depressão e temas “mórbidos” de um jeito super leve e fácil de ler.

Foi o primeiro livro com um protagonista depressivo que não me transmitiu melancolia. Ou seja, se você tem medo de ficar triste com ele, não tenha! “Sua voz dentro de mim” nada mais é do que um meio que Emma Forrest teve de guardar a voz do salvador de sua vida dentro dela antes que ela desaparecesse.

Não foi o livro da minha vida, mas fiquei com vontade de ler alguns outros dela, afinal, ler sentimentos tão malucos expostos de uma maneira clara e sincera não é algo que lemos todo dia.

Postado por Carina Silva

Veja também

01/03/16
[Resenha] One Man Guy

one-man-guy

Só sei que gosto de estar aqui com você e não consigo me imaginar querendo mais ninguém. Isso basta para você?

Título Original: One man Guy

Autor : Michael Barakiva
Editora Leya

Sem dúvida o que mais chama atenção em One Man Guy é a premissa de ser um livro infanto juvenil cuja história é um romance entre dois garotos.  O primeiro romance de Michael Barakiva é uma grande evolução. Ver um romance gay voltando para pré-adolescentes com um design tão fofo e atrativo para o público jovem é maravilhoso.

One Man Guy é narrado do ponto de vista de Alek, um garoto de 14 anos tímido, criado por uma família tradicionalmente armênia cujos os exigentes pais frequentam a igreja de armênios, comem comida armênia e se relacionam apenas com armênios.  A vida já monótona do garoto piora ainda mais quando ele é proibido de viajar com sua família nas férias de verão, porque não conseguiu tirar notas suficientes para ir para uma turma especial no próximo semestre. Alek, então, é obrigado a fazer um curso de verão na escola para recuperar suas notas.

Enquanto sua melhor amiga , Becky, trabalha em uma sorveteria para juntar dinheiro e comprar os patins de seus sonhos, Alek conhece Ethan no curso de verão, um rapaz que é exatamente o contrário dele: despojado e seguro de si.

Foi justamente no primeiro encontro entre Alek e Ethan que comecei a me incomodar um pouco com o livro. Ethan defende Alek de alguns valentões da escola e, logo de cara, já é descrito como Alek – que até então já havia ficado com garotas e gostado –  achou ele atraente. É compreensível que um garoto travado como Alek se encante com alguém confiante como Ethan, porém, para um jovem de 14 anos que nunca nem pensou que poderia ser gay, passar  a ter saudades de outro garoto de uma forma tão desesperada, sem questionamentos, pareceu um pouco raso.

Além da beleza, o que fez Alex se encantar por Ethan foi a liberdade do garoto. Sem cerimônias, Ethan convida Alek para cabular aula e passear por Nova York fazendo coisas ilegais, como não pagar a passagem de trem e metrô, burlar a compra de ingressos no museu… Além de tudo isso, Ethan anda de Skate e é gay assumido.

A maneira com que Alek soube que o, até então amigo, era homossexual foi muito bem pensada. O protagonista fica bravo com um termo pejorativo que Ethan usou para tratar os gays, até que Ethan responde explicando  que pode chamar os gays de “bichas” porque ele era um. Ou seja, mesmo sendo criado por uma família armênia “quadrada” e tradicional, o protagonista se incomoda com qualquer tipo de comentário homofóbico, e até chega a criticar o novo amigo por usá-lo.

Depois de descobrir que Ethan é gay, Alek começa a se pegar pensando demais no garoto. Em uma das conversas com a engraçadinha amiga Becky sugere que talvez Alek esteja gostando de Ethan. A amiga não o julga, muito pelo contrário, a conversa é muito natural.

Enquanto a amizade entre os  dois  garotos vai crescendo, acontece outra coisa que me incomodou: o primeiro beijo dos dois.

Após Alek descrever para  Becky como “sorvete” o beijo que dera em Ethan, o garoto tira da mochila um pôster de um jogador bonito de tênis armênio e prega na parede do seu quarto. Bom, me pareceu simples demais um garoto de 14 anos que nunca ficou com alguém do mesmo sexo, nem sequer pensando que poderia ser homossexual, beijar um rapaz pela primeira vez e no mesmo dia já começa a colar posters de homens na parede. Seria bom se a aceitação fosse tão simples assim.

Devo enfatizar que não é forçado o fato como Alek passa a gostar de Ethan, mas sim a naturalidade irreal na forma com que o garoto descobre seus sentimentos e sexualidade. Creio que a intenção do autor tenha sido tratar o romance jovem gay de forma natural, para os adolescentes se identificarem, sem drama ou tristezas. Afinal, muitos livros de romance juvenis – heterossexuais – não têm nada de muito aprofundado, são apenas romances.

Talvez Michael Barakiva não quis, de fato, desdobrar a descoberta sexual de Alek, mas apenas dizer que é possível tratar com leveza o tema homossexualidade com os jovens.

Me pareceu muito um livro passado por professores para os alunos lerem na sexta série e criar debates saudáveis. A intenção de fazer uma abordagem tênue foi admirável, porém, pelo fato de ser um dos poucos livros atuais Young Adults que fala sobre dois garotos homossexuais tão jovens, o autor Barakiva poderia ter se aprofundado um pouquinho mais na descoberta sexual do protagonista.

Estrelas: ★★

Postado por Carina Silva

Veja também

24/02/16
A Ditadura da Beleza: vale a pena refletir

Alguém já falou pra você que você precisava mudar? A sua aparência, o jeito que você se veste ou o seu peso? Às vezes não é tão direto assim, às vezes as exigências vêm através de insinuações, brincadeiras ou mesmo ironias.

Comigo foi cedo. Eu lembro que a primeira vez que me disseram como eu deveria ser foi aos nove anos. Na época, minha mãe me levou em uma “agência de modelo” (nos anos 90 isso era febre e uma ótima forma de tirar dinheiro das pessoas também, diga-se de passagem). A mulher que me atendeu fez algumas fotos, elogiou meus olhos e disse que eu precisava emagrecer. Eu não era uma criança magra, eu tinha uma barriguinha feliz, que lógico, não me incomodava. Eu era criança! E eu, claro, resolvi emagrecer depois disso. Pensem, com apenas nove anos eu resolvi cortar o pão da minha rotina. Acho que emagreci, não lembro direito. Mas, também não fez diferença nenhuma para o meu futuro nada promissor de celebridade.

Essa foi uma das minhas experiências e aposto que vocês devem ter várias pra contar também, né?! E isso tem tudo a ver com um livro que li há pouco tempo e queria compartilhar com vocês. O livro é do Augusto Cury (não, gente, não torce o nariz achando que é autoajuda) e chama “A Ditadura da Beleza e a revolução das mulheres”. Pra quem não conhece, o Cury é psiquiatra e pesquisador, e nesse livro específico ele escreve em forma de romance.

Através de personagens envolvidas com o universo da moda e da mídia, ele discute sobre a insanidade que são os padrões inatingíveis de beleza e a opressão que eles provocam diariamente em mulheres como eu, como você e também em crianças. A linguagem usada é super fácil e até óbvia demais. Talvez, não mereça um Nobel, mas com certeza nos faz refletir e muito!

a-ditadura-da-belezaSinopse: Com mais de 2 milhões de livros vendidos no Brasil, Augusto Cury retrata neste romance o cotidiano de mulheres que sofrem caladas as consequências de uma cruel realidade do mundo moderno: a ditadura da beleza. Apoiando-se em sua vasta experiência como psiquiatra e pesquisador, Cury dá um grito de alerta contra essa forma de opressão que vem deixando mulheres, adolescentes e até crianças tristes, frustradas e doentes. Influenciadas pela mídia e preocupadas em corresponder aos inatingíveis padrões de beleza que são apresentados, milhares de mulheres mutilam sua auto-estima – e, muitas vezes, seus corpos – em busca da aceitação social e do desejo de se tornarem iguais às modelos que brilham nas passarelas, na TV e nas capas de revistas. Ao tratar de um tema tão atual, este livro faz com que o leitor se identifique imediatamente com os personagens e sua luta por uma vida mais plena, em que cada pessoa se sinta livre para ser o que é, sem se envergonhar de sua aparência e sem se comparar a ninguém.

Postado por Ana Paula Nunes

Veja também

01/09/15
[Resenha] A Solidão dos Números Primos

asl“Mattia tinha estudado que entre os números primos existem alguns ainda mais especiais. Os matemáticos os chamam de primos gêmeos: são casais de números primos que estão lado a lado, ou melhor, quase vizinhos, porque entre eles sempre há um número par, que os impede de tocar-se verdadeiramente. Mattia achava que ele e Alice eram assim, dois primos gêmeos sós e perdidos, próximos, mas não o bastante para se tocar de verdade”.

Lançado em 2009, A Solidão dos Números Primos é a prova de que um físico pode simplesmente ter um coração de humanas. Ou seja, além de ser demais em exatas, o italiano Paolo Giorda conseguiu estrear com o pé direito no mundo da literatura com esse livro. Com um olhar sensível e personagens extremamente bem construídos, A Solidão dos Números Primos é de longe um dos meus livros favoritos.

Alice é uma adolescente de 16 anos anoréxica, com uma perna defeituosa e sem amigas. Mattia é um garoto que se automutila, não se relaciona com ninguém e carrega um terrível segredo que acarretou em uma depressão profunda ao longo da sua vida: quando criança, Mattia foi até uma festa de aniversário com sua irmã gêmea Michaela, que tinha problemas mentais e com medo da irmã ter surtos e ele acabar passando vergonha entre os amigos, o garoto resolve deixá-la em um parque, mas ao retornar da festa, Michaela simplesmente desapareceu.

A história segue uma linha do tempo tradicional, com a infância, adolescência e a vida adulta dos protagonistas. Com uma narração detalhada de cenários e sensações, o leitor acompanha as descobertas sexuais, fugas, problemas familiares, traumas e sofrimento dos dois.

Assim como os números primos, Alice e Mattia são únicos e isolados. Mas de alguma forma se completam. Eles sabem que cada um está preso no seu próprio abismo de solidão e, talvez, seja exatamente por isso que se atraem.

Alice tenta desesperadamente se adaptar ao mundo e, pela perna defeituosa, se sente imperfeita o tempo inteiro, por isso acaba desenvolvendo, junto com uma insegurança absurda, uma obsessão pela beleza e um corpo perfeito que nunca teria. Já Mattia recusa qualquer tentativa de interação, ao se mutilar se pune por ser o culpado do desaparecimento da irmã, se fechando no seu casulo onde seu mundo é os cálculos, porque números é a única coisa que ele compreende.

O livro rendeu um filme italiano, com uma trilha sonora composta por Mike Patton (muito boa, aliás!). Porém, não chega nem perto da beleza do livro. Mesmo apesar da escolha dos atores que interpretam os protagonistas adolescentes tendo sido ótima, o filme não ficou bom. Então passem longe.

2_5834_L

Imagem do filme de 2010. Com os protagonistas adolescentes.

O que é impressionante no livro é, sem dúvida, a construção dos personagens. Giordano conseguiu criar pessoas tão reais que são o que são por certos motivos. E ao mostrar esses motivos para o leitor, consegue passar a sensação de compreensão. É literalmente aquela frase que aparece no Facebook sempre: “Seja gentil, porque cada pessoa que você encontra tem sua grande luta para travar.

É um drama lindo que vai fazer você se sentir mais completo e humano ao terminar.

Postado por Carina Silva

Veja também

01/08/15
[Resenha] Sushi – Marian Keyes

sushi“Existem outras coisas na vida além de ser a melhor.”

Sushi é genial. E talvez muita gente queira me bater por falar isso de um livro voltado para o público feminino e, consequentemente (e infelizmente) por isso considerado“fútil”. Mas não quero nem saber. Sushi é um ótimo livro!

Por que será que estou falando isso de um livro consideravelmente grande onde é narrada a vida de mulheres fazendo absolutamente nada? Bom, é aí que entra a genialidade. Marian Keyes consegue prender o leitor do início ao fim como quem prende um telespectador vendo o final de Avenida Brasil. Sinceramente não sei como essa mulher consegue tanto encher linguiça, por assim dizer. Escrever, escrever e escrever páginas e páginas sobre absolutamente nada. Adoro.

Mas como assim sobre nada, gente?

Bom, não é sobre nada. O livro da escritora irlandesa narra a vida de 3 mulheres com personalidades pouco parecidas que estão passando por uma fase de mudanças. Temos a versão mais nova de Miranda Priestly, Lisa, que é editora chefe de uma revista feminina em Londres. Mandona, trapaceira e uma chefe má, Lisa tem que mudar de vida quando ela é transferida para Dublin para iniciar uma nova revista feminina no país. Acontece que Dublin é chata, nada glamourosa e a equipe que é dada para ela é simplesmente péssima e inexperiente.

No meio da equipe de redação a contratada foi Ashling, aquele tipo de personagem que não tem como não gostar. Simpática e prestativa, Ashling só quer encontrar alguém que a ame (ok, clichê.). Por fim, temos a melhor amiga de Ashling, Clodagh. A amiga muito mais bonita que Ashling, casada com um ex de Ashling, que vive em uma casa linda e tem dois filhos lindos e seu marido continua lindo, mas está infeliz.

A narrativa se passa pelo ponto de vista de Lisa, comandando uma redação aos gritos, Ashling, tentando desesperadamente fazer tudo dar certo, e Clodagh tentando não matar os seus filhos.

E por que tudo isso é ótimo? Porque é engraçado. Sushi é um livro muito engraçado. Por isso, senhoras e senhores, sem essa de que é Chick lit, porque tenho certeza de que é um livro que faria os homens rirem também.

Se você já leu o famoso Melancia e não gostou (assim como eu, porque não acontece absolutamente NADA naquele livro), vai gostar de Sushi, tenho certeza. E se gostou de Melancia, vai amar Sushi. É uma leitura divertida, de narração bem feita e construída, com um vocabulário que não é pobre e tem qualidade.

Terminou de ler aquele livro pesado, triste e denso? Corre para ler Shushi e dar uma risadinhas.

“Tudo o que Ashling sabia era que quase nunca se sentia completa. Mesmo nos seus momentos de maior realização, algo permanecia eternamente ausente, lá no mais íntimo do seu ser. Como aquele pontinho semelhante a um orifício que fica no negro da tela quando a televisão é desligada a noite.”

beda

Postado por Carina Silva

Veja também

29/06/15
[Resenha] Sua voz dentro de mim

Sua voz dentro de mim

Quando tinha 22 anos, a roteirista inglesa Emma Forrest chegou em seu apartamento em Nova York e resolveu se matar. A tentativa, no entanto, foi falha. Emma sobreviveu e passou a frequentar um psiquiatra. O gentil e competente Dr. R. Profissional que, nas palavras da autora, salvou a sua vida.

Sua voz dentro de mim” é uma autobiografia da escritora/jornalista/roteirista Emma Forrest, lançada em 2013 pela editora Rocco, que narra especificamente sua relação com a instabilidade mental e principalmente com o psiquiatra que a ajudou nos momentos mais conturbados da sua vida jovem.

Emma começa contando como sua relação com o desejo de morte se iniciou quando ela era uma criança que via o quadro de Ofélia, afogada em meio as flores, e chorava comendo batatas chips. Logo assim, dá para perceber que nada, especificamente, gerou os problemas mentais que ela diz sofrer no livro de pouquíssimas páginas. Emma se corta, tem bulimia, e Mania ( quadro  oposto à depressão, se apresentando com euforia. Uma das fases do transtorno bipolar – fiz minha pesquisa, porque ela não explica isso no livro).

E então, logo aSUA_VOZ_DENTRO_DE_MIM_1363119997Bpós sua tentativa de suicídio, Emma abre sua mente acelerada e bem humorada pelas próximas páginas. Os detalhes das crises e pensamentos depressivos são escritos com muita leveza e senso de humor (superestimado nas críticas, devo dizer). Mas o que acaba deixando o livro interessante é própria vida interessante que Emma leva em meio a sua insegurança e relacionamentos ruins.

Provável filha de pais ricos, ela entrevista celebridades, frequenta casas de celebridades e aluga casas de celebridades. Temos, por exemplo, a participação especial de Heath Ledger na história e muitos outros famosos que ela não chega a falar o nome. Sem contar, claro, no famoso MC (Marido Cigano), ou, como todo mundo já sabe: Colin Farrel, um dos relacionamentos que mais a machucou.

Mas é legal  falar um pouquinho da pessoa que a inspirou a escrever “Sua voz dentro de mim”: Dr. R, se todos os psiquiatras fossem como ele, muitas pessoas não precisariam tomar medicamentos pela vida toda. Pela descrição de Emma, ele foi um homem que fez quase o papel de um psicólogo, a ouvindo e aconselhando de uma maneira humanizada. Claro que só Deus sabe o que ele anotava em seu bloquinho. Mas a relação especial que esse médico desenvolveu com Emma, e outros inúmeros pacientes, foi algo singular.

“Sua voz dentro de mim” é rápido e, antes de começar a ler, é bom ter em mente que o foco é a relação dela com o seu psiquiatra. Os pontos positivos da história são por Forrest ter conseguido falar sobre depressão e temas “mórbidos” de um jeito super leve e fácil de ler.

Foi o primeiro livro com um protagonista depressivo que não me transmitiu melancolia. Ou seja, se você tem medo de ficar triste com ele, não tenha! “Sua voz dentro de mim” nada mais é do que um meio que Emma Forrest teve de guardar a voz do salvador de sua vida dentro dela antes que ela desaparecesse.

Não foi o livro da minha vida, mas fiquei com vontade de ler alguns outros dela, afinal, ler sentimentos tão malucos expostos de uma maneira clara e sincera não é algo que lemos todo dia.

Postado por Carina Silva

Veja também

02/06/15
em: Livros
[Resenha] Todos Nós Adorávamos Caubóis

todos-nós-adorávamos-os-caubóis

Duas moças que estão tentando resolver seu relacionamento, uma viagem de carro tendo como cenário o interior do sul brasileiro e uma autora brasileira e jovem. Resultado: claro que assim que soube da existência de “Todos Nós Adorávamos Caubóis” – Companhia das Letras – tive que botar na minha lista de livros desejados.

Cora e Julia estão vivendo seus vinte e poucos anos, uma morando em Paris e estudando moda após ter abandonado o jornalismo e outra morando no Canadá, quando a narradora – Cora – decide tirar do papel os planos de sair pelo sul do Brasil de carro e sem destino certo com Julia. A premissa da viagem, e da história, além de descobrir o que vai acontecer com duas jovens garotas andando de carro pelo interior, é descobrir o que vai sair dessa relação até então mal resolvida entre as duas.

Elas não se viam há aproximadamente 3 anos e antes disso, na época da faculdade, chegaram a ir de simples amigas para algo a mais.

Julia é uma moça moderna e descolada que não tem lá muita afeição por sua família muito menos por sua cidadezinha do interior sulista. Ela enxerga o modo que a família a trata como sendo uma substituta e que deve compensá-los de alguma forma. Isso provoca um distanciamento dos pais e do irmão mais velho, o que pode ser compreensível, afinal ninguém é obrigado a amar a família de paixão.

Já Cora pode parecer imatura e com grandes dificuldades de enfrentar os problemas. A viagem de carro com a amiga/ex caso representa o primeiro passo para ela aprender a resolver as coisas engavetadas. Além de ter armado a viagem para definir de uma vez por todas seu relacionamento com Julia – se serão amigas, namoradas, ou simples conhecidas – Cora tem que resolver o relacionamento com o pai. Pessoa que se distanciou dela após o divórcio com sua mãe, se casou com uma moça da idade dela e a chamou para ir de Paris ao Brasil acompanhar o nascimento do seu mais novo meio irmãozinho.

O problema é que Cora simplesmente não está afim desse drama. Para ela, resolver as coisas com Julia está no primeiro plano.

todos-nós-adorávamos-os-caubóis

O livro de 2013 da escritora Carol Bensimon narra especificamente o período onde as duas moças estão inseguras quanto à sua sexualidade e sentimentos. Para mim, ambas são imaturas principalmente pelo fato de fugirem dos confrontos com as respectivas famílias e também de evitar “the talk” sobre a relação delas. É justamente para isso que a viagem serviu: uma pausa na vida das duas para clarearem as ideias e os sentimentos.

Para quem gosta de uma leitura com boa ambientação, o livro vai agradar. Diversas vezes a narradora e protagonista para o ritmo da história para descrever em detalhes o quarto do hotel, por exemplo. Cora analisa suas sensações várias vezes e não evita em ir ao passado para apresentar melhor a história das duas.

Não sei se isso funcionou comigo. Apesar da narração cheia de flashbacks Julia e Cora ainda me pareceram apáticas, sem senso de humor e sem muitas camadas. Talvez tenha sido essa a intensão da Carol Bensimon.

Quem gosta de bastante diálogos pode ficar na vontade, o livro tem poucos. Mas recomendo para quem estiver afim de uma história com protagonistas homossexuais narrada de forma real. E por que eu falo real? Bom, nunca tinha lido um livro onde os protagonistas são um “casal” do mesmo sexo e achei bem interessante o jeito que a Carol descreve os sentimentos de atração física de Cora por Júlia de um jeito natural. Em nenhum momento ela exagera ou diminui. Simplesmente coloca o que é necessário, sem mimimi.

Apesar de bem curtinho, não é tão simples entrar no clima da narração do livro, por isso, “Todos Nós Adorávamos Caubóis” é bom para ler longe de barulhos e aproveitar as divagações de Cora e ambientação do interior do Sul com calma.

Postado por Carina Silva

Veja também