feminismo


18/11/15
Passei boa parte da vida tentando mudar meu cabelo

Eu tenho 27 anos. Passei boa parte da vida tentando mudar meu cabelo, não aceitando o meu cabelo. Tentando transformá-lo, aos poucos, naquilo que eu achava que era mais bonito. Naquilo que a sociedade me mostrava que era mais bonito, através de novelas e revistas.

Fiz amaciamentos, relaxamentos e progressivas. Comecei aos 14 anos de idade, querendo aquilo que era o meu sonho na época, um cabelo liso e com as pontas levemente cacheadas. Não preciso dizer que não funcionava, né? O cabelo crescia e dois dedos de raiz cacheada eram suficientes para acabar com o sonho mês a mês.

Aos 17 anos, com o cabelo já bastante fragilizado, resolvi alisar de vez. Achei que a nova vida de estudante de jornalismo pedia um cabelo liso, mais próximo dos padrões televisivos. E por isso, resolvi fazer uma progressiva e um relaxamento juntos. O cabelo não ficou liso, ficou esticado, ressecado, e eu ainda precisava fazer escovas para ele ficar modelado.

cabelo com progressiva

Meu bota-fora pré mudança para Viçosa, onde fiz a faculdade.

Menos de seis meses foram suficientes para eu me arrepender e perceber que não queria mais aquilo. Já não me lembrava do meu cabelo natural, resolvi que o deixaria crescer e esperar toda a química sair. Passei pela transição sem saber o nome dela, não existiam grupos ou informações pela internet. Fiquei um ano com duas texturas no cabelo e vivendo com ele preso. Não foi fácil, claro, mas eu estava determinada a não voltar atrás.

Já com vários dedos de raiz cacheada, durante a transição

Já com vários dedos de raiz cacheada, durante a transição

Depois de um ano de transição fiz o meu primeiro big chop (cortei o cabelo para tirar a maior parte de química possível), que na época não foi tão grande assim porque meu cabelo já estava curto. Quando eu vi meus primeiros cachos surgirem depois disso, prometi a mim mesma que nunca mais faria nada para modificá-los. Eu os aceitei pra sempre naquele momento

Um ano depois do primeiro big chop

Um ano depois do primeiro big chop

E cá estou eu, nove anos depois disso tudo, feliz e aplaudindo de pé toda vez que vejo pessoas falando sobre deixar os cabelos naturais. Sei que transição é difícil, muuuito difícil. Mas, estudei, li e aprendi que cabelo pode ser muito mais que estética. Aceitar o seu cabelo pode ser um ato político. Por isso, toda vez que vejo uma mulher em transição na rua eu tenho vontade de dar um abraço e dizer: “Ó, vem cá! Você não tá sozinha, cara! Tô aqui, te dou força!” Como sei que isso não é possível, não dá pra abraçar todo mundo, me propus a abraçar virtualmente o máximo que conseguir.

atual

E já ia esquecendo de me apresentar: eu sou a Ana Paula, jornalista, mãe de dois gatos, e agora faço parte da equipe do Garotas Rosa Choque.

Postado por Helena Sá

Veja também

27/07/16
Gorda, a última na fila da empatia

gorda-a-ultima-na-fila-da-empatia

Participo de alguns grupos de minas gordas, muitas maiores do que eu, e que sofrem muito mais com a Gordofobia do que eu.

O sofrimento dessas minas vai muito além da pressão estética, da pressão familiar e social para se enquadrar no padrão. Elas têm problemas de mobilidade, nenhum lugar está preparado para recebê-las, desde o cinema sem cadeiras para quem não cabe nas regulares, ao ônibus com a roleta estreita e os bancos também. No hospital não há equipamentos, macas ou cadeiras de rodas que comportem o corpo gordo, aquele acima do manequim 52 já começa a sentir isso na pele.

Além disso, é essa/esse gorda/gordo que vão sofrer com a agressão, e o ódio a gordos no seu nível mais destrutivo. As pessoas xingam na rua ou na internet, fazem piadas, e realmente acreditam que o gordo está numa escala inferior na sociedade tanto em beleza, quanto em inteligência e capacidade.

Isso tudo que eu falei foi duro de ler? Então saiba você, que chegou aqui e provavelmente é uma pessoa consciente, coerente, uma pessoa que está sempre nas redes sociais apoiando de alguma forma as lutas contra machismo, homofobia, racismo, transfobia. Você é uma fatia da sociedade que está mais evoluída, se compararmos você aos comentaristas de portal, ao pessoal no botequim e do salão do meu bairro, nossa, você é foda.

Agora me diga, na fila da sua empatia, aonde está a gorda? Falo gorda, pois meu público é em maioria feminino e por sermos mulheres sofremos mais com a Gordofobia que os homens. Mas o assunto aqui é sério.

E por que você está vindo com esse assunto agora, Helena?

Bom, que a sociedade em geral é gordofóbica, que a moda exclui gordos, tudo isso já contei aqui, já alertei até sobre marcas inclusivas, que abusam do marketing feminista, que não oferecem suas peças para o público gordo.

Mas e você pessoa evoluída, empática e problematizadora, já parou pra pensar se toda essa vontade de mudar o mundo, de lutar contra o preconceito, inclui os gordos?

Nessa vida dividida entre moda, blog, maquiagem, e feminismo (sim, eu misturo tudo isso). Direto me deparo com gente super moderna, desconstruída, evoluída, inovadora, inclusiva e diferentona. E posso afirmar que, em relação à machismo, homofobia, transfobia e racismo (esse nem tanto), está tudo resolvido na cabecinha desse pessoal. Mas nós gordas, é um susto pra eles quando a gente tem talento, entende de moda… A maioria quando me conhece, não dá nada por mim, quem é essa gorda? (É isso que a expressão na cara deles passa pra mim). Mas é só me adicionarem nas redes sociais, darem uma olhada aqui no blog, que vem correndo me elogiar, elogiar os looks, me falar que sou lacradora…

Ou seja, para eu ser levada a sério, para essas pessoas me perceberem com alguém inteligente, uma pessoa bonita e empoderada, eles têm que praticamente ver um currículo. Isso não acontece com as minas e manos magros que eles são apresentados, pois as tatuagens, roupinhas hipsters minimalistas somadas ao padrão, já precedem. Às vezes trata-se de um completo babaca, mas vem com o pack roupinha trend, padrão e tattoos, então já é show!

gorda, a última na fila da empatia

Mas eu rodei, rodei, e não cheguei ao motivo desse post. Que é dizer que tem feminista gordofóbica, gay gordofóbico, trans gordofóbica… a Kalli falou disso, de um caso que aconteceu esses dias e que vale a pena vocês irem conferir. Resumindo, uma mulher trans foi gordofóbica e quando questionada confirmou e atacou uma moça gorda que se disse ofendida com o comentário. Além disso, essa mulher trans é modelo e fez parte da campanha de uma marca inclusiva e genderless, que foi avisada das atitudes da moça e resolveu não se envolver. Leiam a treta toda no post da Kalli. E digo que é mais triste ainda ver a gordofobia saindo da boca de quem sofre muito com preconceito e opressão.

Contei tudo isso aqui, para provar que sim: a GORDA, é a última na fila da empatia, da SUA empatia, se é mesmo que ela está na sua listinha.

Porém, não fiz esse post para atacar, apesar de colocar o dedo na ferida, a intenção aqui é fazer o debate evoluir, é fazer você pensar. Pois você pode não ter expressado abertamente a sua Gordofobia, como a moça fez, mas já pensou. Você pode até mesmo não ter pensado dessa forma, mas já se omitiu ao ver um amigo ou amiga postar algum fat shaming.

Então, vamos mudar isso? Vamos começar a lembrar que o feminismo tem que incluir todo mundo, e digo mais, as negras e as gordas deveriam receber a maior empatia desse movimento, ter mais espaço e representatividade, e a gente não tinha que ter que dizer isso para quem supostamente é desconstruído e defensor dos oprimidos, não é mesmo?

Postado por Helena Sá

Veja também

24/02/16
A Ditadura da Beleza: vale a pena refletir

Alguém já falou pra você que você precisava mudar? A sua aparência, o jeito que você se veste ou o seu peso? Às vezes não é tão direto assim, às vezes as exigências vêm através de insinuações, brincadeiras ou mesmo ironias.

Comigo foi cedo. Eu lembro que a primeira vez que me disseram como eu deveria ser foi aos nove anos. Na época, minha mãe me levou em uma “agência de modelo” (nos anos 90 isso era febre e uma ótima forma de tirar dinheiro das pessoas também, diga-se de passagem). A mulher que me atendeu fez algumas fotos, elogiou meus olhos e disse que eu precisava emagrecer. Eu não era uma criança magra, eu tinha uma barriguinha feliz, que lógico, não me incomodava. Eu era criança! E eu, claro, resolvi emagrecer depois disso. Pensem, com apenas nove anos eu resolvi cortar o pão da minha rotina. Acho que emagreci, não lembro direito. Mas, também não fez diferença nenhuma para o meu futuro nada promissor de celebridade.

Essa foi uma das minhas experiências e aposto que vocês devem ter várias pra contar também, né?! E isso tem tudo a ver com um livro que li há pouco tempo e queria compartilhar com vocês. O livro é do Augusto Cury (não, gente, não torce o nariz achando que é autoajuda) e chama “A Ditadura da Beleza e a revolução das mulheres”. Pra quem não conhece, o Cury é psiquiatra e pesquisador, e nesse livro específico ele escreve em forma de romance.

Através de personagens envolvidas com o universo da moda e da mídia, ele discute sobre a insanidade que são os padrões inatingíveis de beleza e a opressão que eles provocam diariamente em mulheres como eu, como você e também em crianças. A linguagem usada é super fácil e até óbvia demais. Talvez, não mereça um Nobel, mas com certeza nos faz refletir e muito!

a-ditadura-da-belezaSinopse: Com mais de 2 milhões de livros vendidos no Brasil, Augusto Cury retrata neste romance o cotidiano de mulheres que sofrem caladas as consequências de uma cruel realidade do mundo moderno: a ditadura da beleza. Apoiando-se em sua vasta experiência como psiquiatra e pesquisador, Cury dá um grito de alerta contra essa forma de opressão que vem deixando mulheres, adolescentes e até crianças tristes, frustradas e doentes. Influenciadas pela mídia e preocupadas em corresponder aos inatingíveis padrões de beleza que são apresentados, milhares de mulheres mutilam sua auto-estima – e, muitas vezes, seus corpos – em busca da aceitação social e do desejo de se tornarem iguais às modelos que brilham nas passarelas, na TV e nas capas de revistas. Ao tratar de um tema tão atual, este livro faz com que o leitor se identifique imediatamente com os personagens e sua luta por uma vida mais plena, em que cada pessoa se sinta livre para ser o que é, sem se envergonhar de sua aparência e sem se comparar a ninguém.

Postado por Ana Paula Nunes

Veja também

03/02/16
Meninas, se relacionem com pessoas da sua idade

A gente sabe a sociedade em que vivemos, em que meninas são sexualizadas muito cedo, em que mulheres são infantilizadas, em que uma mulher envelhecer é quase um crime. Sabemos também que crimes relacionados a pedofilia, homens fetichizando meninas, dentre outras práticas são normalizadas e muito aceitas na nossa sociedade.

Garotas de 10 a 17 anos se casam com homens aqui mesmo no Brasil, não precisamos ir a um país da África ou do oriente, isso acontece bem debaixo dos nossos olhos todos os dias. Outro dia mesmo uma menina participante do Master Chef Júnior, foi alvo de comentários sexuais nas redes sociais. Ontem no BBB um pedófilo confesso estava sendo validado pelo apresentador do programa e a mulher que o acusou sendo tachada de louca.

angelina jolie com 14 anos

Outro dia no meu FB um cara de uns 35 anos postou essa foto com a legenda: Angelina Jolie com 14 anos. Meu amigo, a Angelina de 40 anos não sabe da sua existência e ainda sim você acha que o ideal pra você é a versão de 14 anos dela? Qual o seu problema?

Tudo isso que eu falei e muito mais a gente já sabe, já leu, já viu acontecer ou já passou por isso. O que raramente vejo acontecer é o que eu vou dizer agora:

MENINAS, SE RELACIONEM COM PESSOAS DA SUA IDADE! Eu inconscientemente segui uma regra durante a adolescência e início da vida adulta, é a regra dos 4 anos (2 pra cima e 2 pra baixo). Que consiste em só me relacionar com pessoas até 2 anos mais velhas ou mais novas do que eu. Foi uma escolha pessoal, não foi proposital, mas eu repelia qualquer tipo de assédio de homens mais velhos. E posso dizer agora, que foi a melhor coisa que fiz pra minha versão mais jovem e que me trouxe sem traumas até a vida adulta.

E tem vários motivos para que essa seja a melhor decisão que você toma:

  • Por mais madura e inteligente que você seja, você só existe nesse planeta por sei lá 14 anos, chutando uma idade que você começou a namorar. Um cara que tem 30 ou mais, já vivenciou experiências como ter filhos, casamento, e outras tretas que você nem sonha. Essa pessoa, por mais que você seja esperta, vai te dar um baile de manipulação, ele sabe muito bem o que dizer e fazer pra te envolver e te levar para o caminho que ele queira;
  • Quando você namora alguém da sua idade, normalmente vocês descobrem várias coisas juntos, o que é novo para um é também para o outro, e isso é lindo e único! E salvem essa, nunca mais você vai poder viver isso na sua vida;
  • Você já parou pra pensar em porque esse cara mais velho está interessado em você? Foi amor a primeira vista mesmo ou ele só sai com “novinha”? Há chances absurdas dessa pessoa já ter um padrão de ir atrás de moças novas justamente porque por mais madura que você seja, ele já viveu e sabe muito mais da vida que você. Ele não se interessa por mulheres mais velhas porque essas já sacam muito bem a dele, (pedófilos são também misóginos e muitas vezes também racistas, homofóbicos, essas coisas andam juntas);
  • Mais uma vez, se você não namora um menino ou menina de 14 anos quando você tem 14 anos, QUANDO É QUE VOCÊ ACHA QUE VAI PODER FAZER ISSO DE NOVO? Pois é miga, nunca! Até porque homem mais velho com menina é aceito e acontece a torto e direito, mas mulher mais velha na nossa sociedade não namora nem homens da mesma idade, nosso valor ainda está diretamente ligado a juventude e padrão de beleza;

 

Meninas, se relacionem com pessoas da sua idade

E essa afirmação de que meninas gostam de homens mais velhos não se aplicou a mim, até porque na verdade é uma afirmação que vejo homens fazerem, não conheço meninas que demonstrem esse tipo de preferência. Na verdade o que mais acontece é que os alvos desse tipo de predador são meninas e moças que tem situação financeira ruim, passam por problemas familiares, pais ausentes.

Daí esse homem já formado, aparentemente sábio, com melhor condição financeira vem e se mostra interessado por uma menina que quer se sentir especial, ele acaba virando o príncipe salvador, protetor e provedor que ela tanto precisava. Mas a vida não é conto de fadas, aliás, nem o conto de fadas é conto de fadas. E esse tipo de relacionamento só tem um motivo, CONTROLE.

Pode parecer que eu to passando aqui aquela mensagem errada que sempre culpa a vítima, tipo, não quer ser estuprada, não saia, não beba, não use roupa curta; não quer engravidar tome pílula ou faça abstinência! E NÃO É ESSA A MENSAGEM QUE EU QUERO PASSAR! Só acredito que mesmo sendo recriminável, mesmo sendo nojento e danoso para as meninas, a sociedade aceita e ainda diz que esse tipo de relacionamento é escolha da menina de 14, 15, 16 anos, que elas não são inocentes, dentre outras falácias. Então vamos abrir um diálogo com as meninas, vamos falar com elas o que a gente queria que tivessem falado com a gente nessa idade:

HOMENS MAIS VELHOS NÃO QUEREM TE NAMORAR PORQUE TE AMAM, ELES SÓ QUEREM ALGUÉM FÁCIL DE MANIPULAR!

My Mad Fat Diary

Elenco da série My Mad Fat Diary

VIVA INTENSAMENTE ESSA FASE DA SUA VIDA, COM PESSOAS QUE TAMBÉM ESTÃO PASSANDO PELAS MESMAS EXPERIÊNCIAS E VIVÊNCIAS. ESSE MOMENTO PASSA MUITO RÁPIDO E VOCÊ NUNCA MAIS VAI PASSAR POR ELE, NÃO DESPERDICE COM QUEM SÓ QUER SUGAR A SUA JUVENTUDE, TE CONTROLAR E SE SENTIR PODEROSO POR EXIBIR UMA “NOVINHA”.

Se você tem entre 10 e 17 anos e veio parar nesse post, ouça os conselhos da tia aqui! E as minas que acompanham o Garotas, repassem para suas irmãs, primas, amigas, filhas, colegas… 😉

Postado por Helena Sá

Veja também

29/11/15
Afinal, quem é Jessica Jones?

jesssjonesss

Tá todo mundo falando dela. Feminista, luta, tem superpoderes mas não é uma super heroína, é sarcástica e alcoólatra. Afinal de contas quem é essa Jessica Jones?

Jessica é uma personagem da Marvel que teve um acidente de carro e acabou desenvolvendo seus poderes de super força e pular muito alto (ou voar um pouco?). Sua curta jornada de super-heroína acaba quando ela encontra Killgrave, um britânico cujo poder é fazer as pessoas fazerem tudo o que ele diz. Depois de passar por um relacionamento forçado e fazer coisas muito ruins ordenadas por Killgrave, Jessica consegue se livrar dele e passa a ganhar a vida como uma investigadora particular ainda com traumas psicológicos causados pelo vilão. Só que tem um pequeno problema: ela não se livrou dele completamente.

Hã, tá mais e daí? O que isso tem de mais?

jessica-jones-serie-original-netflix-marvel_510095 Bom, parte da interpretação de cada um, mas é muito fácil ver Killgrave como aquele cara que prende as mulheres. Em diversas cenas, Jessica deixa bem claro que foi estuprada não só fisicamente mas mentalmente por Killgrave, mesmo ela “querendo” (não queria, afinal, ele controlava sua mente).

Além disso, a personagem não é a típica “mulher maravilha”. Jessica é obscura, mal humorada, alcoólatra e adora um sexo casual. Além disso, para quem não sabe de nada, dá até pra se esquecer que é uma série de heróis. Afinal, não temos capas, raios e nem olhos de laser.

 

A série

Netflix se superou na produção. A fotografia é linda e a direção também. Sem falar na escolha da atriz. Ninguém poderia interpretar alguém tão obscura como Krysten Ritter.

Mas tem que falar mal 

Seguinte, apesar da trama ser boa e a maioria dos 13 capítulos te deixar tensa, o roteiro tem coisas desnecessárias e forçadas. Bem forçadas. Como por exemplo, o grande foco que a advogada Jeri Hogarth e seus problemas amorosos com a esposa e amante recebem. Jeri é forte? É? É legal ter homossexuais na série? É. Mas a personagem é entediante e seu arco não faz a mínima diferença para a trajetória da heroína. Pelo menos não nessa 1ª temporada.

Já sobre a atuação da Krysten, dá pra dizer que é muito boa nos momentos introspectivos e psicóticos de Jessica Jones, mas falha na hora da raiva e descontrole,  ficando algumas vezes forçada. Assim como em algumas cenas de luta que não convencem. Krysten superou as expectativas (já que só vi filmes de comédia e leves com ela, tirando Breaking Bad), mas ainda tem muito a melhorar.

Veredicto final:

Jessica Jones é uma série onde os homens são coadjuvantes, as mulheres lutam e colocam a mão na massa e isso é lindo de se ver. Alguns capítulos foram maçantes, mas a série no geral, mesmo não virando a série da vida de todo mundo, é boa e vale bastante a pena assistir.

 

E vocês? Concordam, discordam? O que acharam de Jessica Jones?

Postado por Carina Silva
18/11/15
Passei boa parte da vida tentando mudar meu cabelo

Eu tenho 27 anos. Passei boa parte da vida tentando mudar meu cabelo, não aceitando o meu cabelo. Tentando transformá-lo, aos poucos, naquilo que eu achava que era mais bonito. Naquilo que a sociedade me mostrava que era mais bonito, através de novelas e revistas.

Fiz amaciamentos, relaxamentos e progressivas. Comecei aos 14 anos de idade, querendo aquilo que era o meu sonho na época, um cabelo liso e com as pontas levemente cacheadas. Não preciso dizer que não funcionava, né? O cabelo crescia e dois dedos de raiz cacheada eram suficientes para acabar com o sonho mês a mês.

Aos 17 anos, com o cabelo já bastante fragilizado, resolvi alisar de vez. Achei que a nova vida de estudante de jornalismo pedia um cabelo liso, mais próximo dos padrões televisivos. E por isso, resolvi fazer uma progressiva e um relaxamento juntos. O cabelo não ficou liso, ficou esticado, ressecado, e eu ainda precisava fazer escovas para ele ficar modelado.

cabelo com progressiva

Meu bota-fora pré mudança para Viçosa, onde fiz a faculdade.

Menos de seis meses foram suficientes para eu me arrepender e perceber que não queria mais aquilo. Já não me lembrava do meu cabelo natural, resolvi que o deixaria crescer e esperar toda a química sair. Passei pela transição sem saber o nome dela, não existiam grupos ou informações pela internet. Fiquei um ano com duas texturas no cabelo e vivendo com ele preso. Não foi fácil, claro, mas eu estava determinada a não voltar atrás.

Já com vários dedos de raiz cacheada, durante a transição

Já com vários dedos de raiz cacheada, durante a transição

Depois de um ano de transição fiz o meu primeiro big chop (cortei o cabelo para tirar a maior parte de química possível), que na época não foi tão grande assim porque meu cabelo já estava curto. Quando eu vi meus primeiros cachos surgirem depois disso, prometi a mim mesma que nunca mais faria nada para modificá-los. Eu os aceitei pra sempre naquele momento

Um ano depois do primeiro big chop

Um ano depois do primeiro big chop

E cá estou eu, nove anos depois disso tudo, feliz e aplaudindo de pé toda vez que vejo pessoas falando sobre deixar os cabelos naturais. Sei que transição é difícil, muuuito difícil. Mas, estudei, li e aprendi que cabelo pode ser muito mais que estética. Aceitar o seu cabelo pode ser um ato político. Por isso, toda vez que vejo uma mulher em transição na rua eu tenho vontade de dar um abraço e dizer: “Ó, vem cá! Você não tá sozinha, cara! Tô aqui, te dou força!” Como sei que isso não é possível, não dá pra abraçar todo mundo, me propus a abraçar virtualmente o máximo que conseguir.

atual

E já ia esquecendo de me apresentar: eu sou a Ana Paula, jornalista, mãe de dois gatos, e agora faço parte da equipe do Garotas Rosa Choque.

Postado por Ana Paula Nunes

Veja também

04/11/15
Agora é que são Elas

Aconteceu uma coisa muito inusitada e inesperada nesse feriado comigo. Quem acompanha as redes sociais do blog já tem uma ideia, pois eu avisei lá. Fui convidada pelo Márcio Valentim, do Canal do Valentim, para participar dentro do canal dele, da campanha Agora é que são Elas.

Assistam ao vídeo em HD, porque estou com uma maquiagem tão linda que parece que minha pele é de bebê ahahaha, e quem me acompanha no Snap (pinkshockgirl), sabe que tô sofrendo um ataque de espinhas assassinas! 😛

Foi tudo na correria, ele me chamou tipo 4 da tarde, 18:30 eu tava na casa dele gravando! 😀

Para explicar melhor essa Hashtag, segue o texto do Valentim:

Meus nobres amigos, vamos compartilhar essa ideia, por favor. Mostre que vocês têm a mente expandida e que vêem o mundo com outros olhos. Deixe seu like e compartilhe esse vídeo com quem você conhece. As mulheres merecem respeito! “Esse é um momento importante: mulheres estão perdendo direitos adquiridos com muita dificuldade. É cruel. Mulheres vêm relatando o que é ser mulher no Brasil hoje. E ser mulher no Brasil é perigoso. Contra essa crueldade e pra denunciar esse perigo, nós mulheres tomamos as ruas. E as redes. Muitos homens que têm acesso a meios de comunicação e espaços de fala garantidos – verdadeiramente emocionados diante desse momento e solidários nesse movimento de empoderamento – têm vontade de escrever sobre o tema. Do reconhecimento essa vontade em muitos homens, nasceu a provocação: e se todos os homens, ao invés de publicar textos sobre a importância de escutar, de fato reconhecessem a importância de escutar e cedessem, nessa semana, seus espaços para mulheres falarem? Hoje, como o importante é ouvir, eu e você leitor ouviremos. Com vocês, uma mulher. Dessa provocação surgiu, com a ajuda de muitxs e bons, a iniciativa #AgoraÉQueSãoElas: uma semana de mulheres ocupando os espaços masculinos de fala. Homens convidam mulheres para escrever no seu lugar e se colocam nesse lugar do ouvinte. Dando voz e vez a uma mulher. Reconhecendo a urgência da luta feminista por igualdade de gênero e o protagonismo feminino nesta luta. Podem adaptar isso para os muitos veículos: jornais, blogs, canais de Youtube, perfis. Temos uma infinidade de maneiras de multiplicar informação. Todas elas podem ser, nessa semana, ocupadas por mulheres. Muitos homens toparam e já cederam seu espaço nessa semana que começa para uma mulher, para as mulheres. Gregorio Duvivier, Marcelo Freixo, Jean Wyllys, Leo Sakamoto, Bruno Torturra, Ronaldo Lemos, Marcelo Paiva, João Paulo Cuenca, José Eduardo Agualusa, Marcus Faustini, Fred Coelho, Antonio Prata, Marco Aurelio Garcia, Juca Kfouri e outros. E queremos muitos mais com a gente. Queremos todxs juntos nessa onda. Pra que ela seja um tsunami. É pela vida das mulheres. “

agora-é-que-são-elas

Tenho que agradecer demais a minha amiga linda, Lita, que foi comigo me apoiar na gravação. ♥

IMG_20151102_194419

Tinha que ter selfie tietando o Valentim, que é tão simpático e boa gente pessoalmente quanto no canal!

agora-é-que-são-elas

Claro que tem look, com vestidinho que comprei na Havan outro dia, camisa masculina Armada e tênis cinza Kanui.

IMG_20151102_234246

Make leve, mas não podia faltar o batom vermelho pra falar de feminismo, não é!? 😉

Gracinhas de look e make a parte, o foda mesmo foi ter tido esse espaço pra falar de feminismo, coisa que eu já faço todos os dias no instagram e facebook, conversando com vocês, ou seja, nós já tiramos de letra, mas o legal nesse vídeo, é atingir quem não está acostumado a ouvir e ler sobre isso, é trazer mais gente para lutar ao nosso lado! Fiquei muito feliz e sou muito grata ao Valentim pelo espaço e pela coragem! \o/

Quero agora saber o que vocês acharam, quero comentários lá e aqui, quero joinha no youtube, pois tem muitos haters indo lá xingar e negativar o vídeo!

Postado por Helena Sá

Veja também