12/01/17
[Resenha] Wicked – Gregory Maguire

wicked livro

“As pessoas que se dizem más normalmente não são piores do que o resto de nós. É com as pessoas que dizem que são boas ou melhores do que o resto de nós que devemos nos preocupar.”           

Wicked me fez odiar o O Mágico de Oz, tanto o mágico em si quanto a população inteira a Terra de Oz. Então se você não quer acabar com sua linda visão da história de O Mágico de Oz, não leia Wicked.

É bom dizer que o livro de 95 não é uma história oficial, não foi o próprio Lyman Frank Baum quem escreveu. O autor da vez, Gregory Maguire, se apropriou da história original para dar uma visão mais ampliada sobre as vilãs de Oz, talvez porque ele ache que tudo é de uma forma por um motivo. E essa é justamente a essência do livro.

Wicked não tem nada de fofo e passa longe do clima “princesa Disney” da musical adaptação cinematográfica de O Mágico de Oz. O livro conta a história da famosa Bruxa Má do Oeste, Elfaba, começando desde o seu nascimento, passando pela adolescência – quando conheceu a futura inimiga Glinda e consolidou com ela certa amizade  –  e todo o caminho que ela  trilhou para, finalmente, chegar a ser odiada por todos.

Mas então o que será que fez Elfaba, uma moça boazinha, se transformar em uma bruxa tão temerosa? É aí que Wicked dá um tapa na sua cara. Maguire conseguiu mixar política, preconceito racial e magia em um único livro e que, por coincidência ou não, faz muito mais sentido quando se vive em um período histórico tão horrendo como o que estamos vivendo.

Logo que nasce, Elfaba já é rejeitada por seus pais por possuir uma cor de pele diferente. Pois é, se você não sabe, em OZ não há muitas criaturas verdes. Talvez justamente por crescer em volta de tanto julgamento e não só aparentar diferente, mas também pensar, ela cria uma personalidade forte e independente. Quando entra na Universidade de Giz, conhece a futura “bruxa do bem” Galinda – ou Glinda – e, mesmo depois de uma não ir muito com a cara da outra, rapidamente viram amigas.

Deixando as eventuais desavenças das duas amigas de lado e suas paquerinhas adolescentes, o narrador sempre dá um jeito de contar a situação política social que ocorre em OZ naquele momento: resumidamente os povos de Oz estão em conflito e o Mágico encontra uma solução para unir novamente a população: o ódio em comum. Esse ódio é direcionado para os Animais, que são animais, porém pensantes.

Seu discurso consiste em dizer que esses seres são apenas animais e, como tais, não devem conviver com todo mundo, mas sim viver em fazendas. São seres inferiores. Te lembra um certo discurso de um certo ditador? Pois é, ponto para Gregory Maguire!

Elfaba, sendo a girl power que pensa por si, logo  vê que isso está errado e começa a agir ao lado da resistência. Ou seja, entra para os “esquerdalhas” que lutam a favor dessa minoria (os Animais). Não é preciso dizer muito mais, mas já dá para imaginar como a personagem e sua irmã acabam virando as vilãs de Oz.

Não creio que Lyman F. Baum tenha criado as bruxas más pensando que eram, na verdade, mulheres fortes más compreendidas e com “má fama”.  Acho que elas nasceram em sua  mente simplesmente como vilãs. É por isso que Wicked estragou Oz para mim. Pois faz muito mais sentido uma mulher antipática, verde, que estudou magia e é contra o governo, se tornar uma vilã para a população (simplesmente porque essa imagem foi construída pela sociedade de Oz), do que ser uma Bruxa Má que mora no Oeste que é má apenas e exclusivamente por ser má. Compro muito mais a versão de Maguire do que a original. Afinal, na pior das hipóteses (tendo Elfaba sido uma militante de esquerda que lutou contra as absurdas leis impostas pelo Mágico ou não), ela era só uma bruxa que queria de volta os sapatos da irmã morta.

Recomendo Wicked se você não tiver uma relação íntima com O Mágico de Oz, afinal, pode quebrar o encanto e as chances de não gostar da descrição diferente e moderna que o autor faz de Oz são muito maiores. De resto, a escrita é muito bem feita, a tradução da ed. Leya ficou ótima e se faz um livro muito leve de ler e fácil de se  imaginar dentro. Vale a pena para quem gosta de fantasia e, principalmente, de conhecer o outro lado da moeda.

Carina SilvaPostado por Carina Silva

Veja também


Deixe um comentário