24/05/16
Circo Invisível | A visita cruel do tempo

Circo Invisível-A visita cruel do tempo

Hoje tem resenha dupla porque não posso falar de  Circo Invisível sem falar de A visita cruel do tempo e/ou vise versa. Ambos são livros da autora Jennifer Egan (que conheço há pouco tempo mas já considero pacas) e o motivo pelo qual acho perfeito falar dos dois é que o tema central é praticamente o mesmo: o tempo. Não é exatamente o tema central de  Circo Invisível, romance de estreia da autora – publicado em 1995 lá fora – mas sim o tema central da escrita de Egan, que, se não for exagero, é uma verdadeira senhora nostalgia.

Circo Invisível

Capa original do livro lançado em 95

Circo Invisível se passa nos anos 70 e conta a história da adolescente Phoebe, alguém que não sabe quem é, vive com a constante sensação de que não está aproveitando a vida devidamente e que não pertence ao mundo, mas longe de ser de uma forma revoltada. O problema é que a jovem de 18 anos vive na sombra de sua irmã mais velha, Faith, que, ao contrário dela, era corajosa e se jogava em situações sem pensar nas consequências. Depois de crescida, Phoebe passou a viver em busca da sensação mágica que era ter vivido nos anos 60, como sua irmã, e procura desesperadamente o sentimento que, quando criança, conseguiu apenas chegar perto de sentir, mas apenas como espectadora.

O fantasma de Faith pode ser mesmo considerado um, já que a irmã de Phoebe se matou durante uma viagem pela Europa. Agora, exatamente com a mesma idade que a irmã quando morreu, Phoebe sente a necessidade de refazer os passos de Faith pela Europa e não só descobrir o motivo que fez sua irmã se matar, mas também reencontrá-la.

Enquanto a narração sobre a descoberta de Phoebe em relação ao mundo decorre, podemos ler intercaladamente passagens da infância dela com a irmã, o pai e o irmão mais novo. São situações tão bem narradas que tenho certeza que vou levar a cena que deu origem ao nome do livro para sempre comigo, por exemplo.

A jornada de Phoebe não se torna apenas física, mas também introspectiva. No entanto, a narração  está longíssima de ser cansativa. A escrita clara e sem floreios faz do livro um suspense dramático que surpreende por conter um enredo simples, mas recheado de intimismo, reflexões sobre uma geração que se perdeu e viagens internas que todos nós temos, mas que só Egan parece conseguir colocar no papel.

A visita cruel do tempo

Já havia notado o carinho que a autora parece ter pelas décadas passadas, pensamentos nostálgicos e reflexões sobre mudanças. Tudo  leva a crer que não teria como Jennifer fugir fugir de escrever A Visita Cruel do Tempo – livro de 2012.

A história começa com Sasha, uma cleptomaníaca que trabalha como assistente do famoso produtor musical Bennie. Depois de introduzir Sasha,  a autora parte para o capítulo onde a vida de Bennie é apresentada. Ele relembra sua juventude nos anos 70/80, quando era punk e tinha uma banda com seu amigo Scott. É a partir da história dos dois que o livro segue com cada capítulo contando a história de outros personagens – ou do mesmo -. A narração vai e volta no tempo sem aviso prévio indo dos anos 70 até um futuro não muito distante do de hoje. Cada capítulo é uma surpresa.

A leitura pede uma atenção extra para os personagens de cada capítulo, até os que parecem secunA visita cruel do tempodários, porque cada um deles pode ser citado lá na frente. Embora nem todos se conheçam, eles formam uma teia e cada um tem relação com o outro, seja no passado, presente ou futuro.

A visita cruel do tempo incomoda e faz isso porque esfrega na sua cara, sem piedade, as verdades sobre os efeitos do tempo na nossa vida. E para nós, que estamos acostumados a não saber o futuro de um personagem 30 anos depois do fim de uma história, é difícil lermos na lata o que virou a vida dele (e, nem sempre, é algo extraordinário). Jennifer Egan brinca de mostrar de uma vez como realmente o tempo pode ser uma visita cruel, mas às vezes nem tão ruim.

Tanto esse quanto Circo Invisível levam certa nostalgia sentida pelos próprios personagens direto para o leitor, e a autora consegue fazer isso sem fazer nenhum esforço. É possível terminar a leitura só com aquela sensação prazerosa de saudade de algo que você, na verdade, nem chegou perto de viver.

“É essa a realidade, não é? Vinte anos depois, a sua beleza já foi para o lixo, especialmente quando arrancam fora metade de suas entranhas. O tempo é cruel, não é? Não é assim que se diz?” – Trecho de “A visita cruel do tempo”.

Carina SilvaPostado por Carina Silva

Veja também


Deixe um comentário