05/01/16
Qual é o pente que te penteia e meta para 2016

Semana passada eu, finalmente, visitei uma exposição super bacana que está acontecendo aqui em Juiz de Fora. Queria ir já há algumas semanas, mas misturou fim de férias e fim de ano e as semanas começaram a ficar bem mais corridas e acabava adiando.

A exposição de fotos chama “Qual é o pente que te penteia” e fica disponível no Espaço Cultural Correios (em Juiz de Fora) até dia de 16 de janeiro. Então, ainda dá tempo de você também conhecer! Corre!

Pelo nome e pela arte de divulgação (que está lindona) eu fiquei mega ansiosa pra visitar logo. Sim, o nome é o título de uma música antiga que você com certeza já cantarolou por aí, mas me diga, você já parou pra pensar o quão preconceituosa essa música é?

“Nega de cabelo duro,
qual é o pente que te penteia?”

qual-é-o-pente-que-te-penteia

Pois é, tem tanta coisa que a gente reproduz e nem se dá ao trabalho de pensar sobre, não é? É aí que mora o perigo, bem aí que mora o preconceito também! Em uma aula sobre Ideologia, meu professor da Pós-Graduação em Mídia, Informação e Cultura da USP (um dos professores mais sensacionais que já pude ter) explicava que o grande lance da ideologia é isso, fazer com que reproduzamos discursos preconceituosos, machistas, homofóbicos sem questionar, ou sem ao menos hesitar.

No entanto, quando nos damos conta da existência disso, dessa consciência social que impregna a gente, por mais que um pensamento preconceituoso ou machista percorra nossa cabeça, a gente começa questionar. E desde então, eu me questiono sobre músicas, filmes, livros e ditados populares (esses são terríveis).

exposição
Certo, mas pra quê tudo isso? Bom, porque a exposição está linda. Todas 38 fotos de mulheres negras com seus cabelos crespos, com dreads, tranças, turbantes ou mesmo com black power são maravilhosas.

E enquanto eu admirava cada foto eu só conseguia pensar no quanto o padrão de beleza é excludente e sem maior sentido. Quem disse que a mulher negra não é linda? Que disse que ter tranças e dreads não pode ser maravilhoso?

Exposição2
Tem todo um contexto histórico e social nessa luta, mas vale lembrar a gente a aprende. A gente pode mudar discursos, podemos parar de reproduzir falas que colaboram com tudo isso.

Então, para 2016 ficam aí duas metas: visitar essa exposição maravilhosa e se questionar mais sobre todas essas falas prontas que temos em nossa cabeça, ok?

Ana Paula NunesPostado por Ana Paula Nunes

Veja também


Deixe um comentário