19/10/15
Por uma geração de blogueiros Unicórnios

por-uma-geração-de-blogueiros

Por uma geração de blogueiros comprometidos com seus leitores, com a ética, que não criem personagens de um lifestyle irreal, que não sejam reféns de marcas, que tenham comprometimento maior com sua credibilidade do que com anunciantes.

Por mais blogs que priorizem o conteúdo, a opinião, a originalidade. Que não tenham medo de pisar em alguns calos para passar sua verdade ao leitor, a quem o assiste em vídeo, segue nas redes sociais e acredita no seu trabalho.

Será que eu estou pedindo demais? Será que é tão difícil assim sair de cima do muro? Será que é realmente um suicídio comercial dizer o que realmente pensa, ter opinião e não ser apenas um jabazeiro, uma vitrine de marcas, um classificados chique?

Posso estar completamente enganada, todo mundo erra e sempre foi da minha natureza meter o pé na porta, nunca fui uma pessoa de networking, não sou simpática, tenho poucos amigos próximos e nunca causo uma boa primeira impressão, acredito que primeiras ótimas impressões são apenas teatro, pois a maioria das pessoas se esforçam demais para se vender, para serem amadas. Eu não, e nem é por um motivo nobre como autenticidade e honestidade, é porque eu tenho preguiça mesmo, muita preguiça.

Mas como eu dizia, posso estar errada, mas acho que a grande tendência em relação a blogs, quem vai realmente conseguir manter um blog ou canal no youtube, vai ser quem for autêntico, quem voltar as origens dos primeiros blogs de opinião pessoal sincera. As pessoas estão até o pescoço de tanta propaganda camuflada, instabloggers que não sabem nem o que é wordpress, compram seus seguidores e colocam na bio o famoso ~contato para parcerias~.

Mas quando eu falo de opinião não é tirar besteira de trás da orelha, expelir estereótipos, propagar preconceito. É em qualquer que seja o seu conteúdo, que seja um blog de resenha de esmaltes, você possa ali no seu espaço dizer que não gostou da qualidade de um produto, do posicionamento de uma marca, de seu tratamento ao consumidor. Pois foi por isso que os blogs se tornaram referência em um primeiro momento, as pessoas queriam ouvir e ler dos seus iguais a opinião sobre um serviço, produto, filme, game, livro…

Pois se você quer ler algo parcial, que dependa e não queria se indispor com anunciantes, vá ler jornal e revista, ver TV… porque se você fizer o mesmo que eles, ninguém quer ler, ou pelo menos não deveria querer ler um formato amador que é mera cópia de mídias tradicionais.

Algumas pessoas podem perguntar – Como conseguir clientes, anunciantes, parcerias para o seu blog se não vai falar bem da marca, do serviço… – aí é que está, escolha com quem você quer trabalhar, pesquise antes se aquilo tem a ver com seu blog, seu nicho, com o que você acredita. E mesmo assim pode ser que você não teça somente elogios, você pode criticar a postura de um anunciante, se declarar contra.

unicórnio

Por exemplo, já fui blogueira seleciona pela Risqué, mesmo assim quando eles lançaram aquela coleção com tema equivocado no dia da mulher, me posicionei sobre o caso na página do blog. Cabe aí as agências, as marcas e quem mais lide com influenciadores perceber a oportunidade, o unicórnio entre os formadores de opinião que ele estará contratando ao se vincular com esse tipo de blogueiro, youtuber, ou que for, que tenha esse tipo de postura profissional e de vida.

Com isso tudo aí estou meio que vendendo meu peixe, já que é esse o tipo de postura e de linha editorial do meu blog? Com toda certeza, mas é realmente o que eu acredito não somente para o Garotas, é o que eu consumo na internet e fora dela, e cada vez mais as pessoas estão tendo esse olhar crítico. Estão procurando os o blogs e outros formatos que ainda não vendem opinião, mas apenas os anúncios na sidebar, que quando fazem um publipost, sinaliza e fala de produtos com critério, coisas que realmente comprariam ou recomendariam a um amigo.

E como ser assim? Adote na vida também, pessoal, profissional… olha, o caminho é mais longo, cheio de 7×1, mas meu, é tão foda ouvir e ler de uma leitora o quanto confia no que você está dizendo, seja ela uma adolescente ou uma senhora de 50, tenha o cabelo colorido como o meu ou não.

Você pode desagradar muita gente, a maioria não vai te entender, talvez você não encontre o seu oceano azul assim, mas também não vai nadar até uma praia lotada, e com toda certeza vai conquistar seu laguinho de águas cristalinas.

Olha eu cheia das metáforas! Gracinhas a parte, não foi fácil conquistar o meu espaço, ainda não é, talvez eu estivesse aparentemente mais bem sucedida tendo uma postura mais neutra com meu blog e na vida em geral. Mas a cada conquista minha dentro dos meus termos, seguindo as minhas regras, descendo goela abaixo ao invés de ter um tapete vermelho pra mim sempre, aaahhh,  essas conquistas são as mais fodas, as que mais emocionam, pelas quais vale a pena viver.

Helena SáPostado por Helena Sá

Veja também


16 comentários em “Por uma geração de blogueiros Unicórnios”

  • Nina Altomar disse:

    Eu precisava ler esse post hoje! Muito do que vc escreveu é o que eu tenho pensado sobre os blogs ultimamente! As vezes da até um desanimo de escrever porque aparentemente um conteúdo padronizado tem mais valor.. É um caminho difícil, mas é muito mais gratificante ser reconhecido pelo trabalho que vc produziu com muito carinho!
    Muito bom seu texto! Beijão

  • maria helena j leme arantes disse:

    Arrasou! Continue assim pois é por isso que nós somos suas leitoras.

  • Natascha disse:

    Adorei o seu post Helena, sou blogueira também e sinto que realmente falta muito isso hoje em dia, parece que as pessoas estão mais interessadas em ver uma “vida perfeita” das blogueiras do que uma “vida real”, e o que mais me deixa triste é ver a quantidade enorme de blogueiras que eu gosto cada dia se vendendo mais e mais barato! Vamos lançar uma campanha #porumainternetreal bjooo

  • Carol Neves disse:

    Estou te aplaudindo aqui!
    Gostei muito do post, e é exatamente o que penso. Prefiro ter um blog pequeno mas com leitores que confiam em mim, que me vender e perder tudo que acredito.
    E é por pensar assim que você vai ainda mais longe!
    =***

  • Gabriela disse:

    Ter a confiança dos leitores é muito mais importante que o interesse das marcas, até porque se você perde os seus leitores nenhuma empresa vai querer anunciar com você. Adorei o post! http://www.alemdolookdodia.com

  • Jana disse:

    Oi Helena,
    vim parar no seu blog por intermédio de uma postagem de um escritor no FB (ele compartilhou um Instagram seu sobre infantilizar mulheres adultas e adultizar meninas). Fiquei interessada e entrei aqui. Adorei seu blog, seu jeito direto e suas resenhas de livros. Vou te seguir no FB para acompanhar suas postagens.
    Já tive um blog, nao era vinculado com propaganda, mas mesmo assim tentei ser política e educada o tempo todo e aquilo me cansou. Se eu fosse fazer um blog hoje, seria coice de unicórnio na porta.

    Beijo e que a marcha das unicórnias continue!

  • Marcia disse:

    Helena que ótimo ler seu post. Assino embaixo, confesso que como leitora a mais de uma década de blogs de maquiagem e beleza, hoje eu fecho janelas do meu navegador ao primeiro sinal de falta de sinceridade (para não honestidade) com o público.

    E outra coisa: cadê a coragem de falar o que pensa sobre os produtos? Vou dar um exemplo que sempre me deixa de boca aberta: os dedos para criticar batons líquidos. Você abre o youtube e lá vai a blogueira: olha gente, o produto é ótimo: ‘só’ tem problemas de pigmentação, textura, aplicação e dura menos de uma hora, mas eu não estou falando mal do produto.
    Eu não entendo por que o medo, para mim uma resenha sem sinceridade é motivo para não acompanhar mais aquele site ou blog, simples assim.

    • Helena Sá Helena Sá disse:

      Pois é Marcia, não entendo isso. Já comprei batom líquido confiando na resenha de blogs e me dei mal, daí vim aqui e disse oq ue achava do produto pra quem me acompanha não cair nessa. 😛

Deixe um comentário