01/09/15
[Resenha] A Solidão dos Números Primos

asl“Mattia tinha estudado que entre os números primos existem alguns ainda mais especiais. Os matemáticos os chamam de primos gêmeos: são casais de números primos que estão lado a lado, ou melhor, quase vizinhos, porque entre eles sempre há um número par, que os impede de tocar-se verdadeiramente. Mattia achava que ele e Alice eram assim, dois primos gêmeos sós e perdidos, próximos, mas não o bastante para se tocar de verdade”.

Lançado em 2009, A Solidão dos Números Primos é a prova de que um físico pode simplesmente ter um coração de humanas. Ou seja, além de ser demais em exatas, o italiano Paolo Giorda conseguiu estrear com o pé direito no mundo da literatura com esse livro. Com um olhar sensível e personagens extremamente bem construídos, A Solidão dos Números Primos é de longe um dos meus livros favoritos.

Alice é uma adolescente de 16 anos anoréxica, com uma perna defeituosa e sem amigas. Mattia é um garoto que se automutila, não se relaciona com ninguém e carrega um terrível segredo que acarretou em uma depressão profunda ao longo da sua vida: quando criança, Mattia foi até uma festa de aniversário com sua irmã gêmea Michaela, que tinha problemas mentais e com medo da irmã ter surtos e ele acabar passando vergonha entre os amigos, o garoto resolve deixá-la em um parque, mas ao retornar da festa, Michaela simplesmente desapareceu.

A história segue uma linha do tempo tradicional, com a infância, adolescência e a vida adulta dos protagonistas. Com uma narração detalhada de cenários e sensações, o leitor acompanha as descobertas sexuais, fugas, problemas familiares, traumas e sofrimento dos dois.

Assim como os números primos, Alice e Mattia são únicos e isolados. Mas de alguma forma se completam. Eles sabem que cada um está preso no seu próprio abismo de solidão e, talvez, seja exatamente por isso que se atraem.

Alice tenta desesperadamente se adaptar ao mundo e, pela perna defeituosa, se sente imperfeita o tempo inteiro, por isso acaba desenvolvendo, junto com uma insegurança absurda, uma obsessão pela beleza e um corpo perfeito que nunca teria. Já Mattia recusa qualquer tentativa de interação, ao se mutilar se pune por ser o culpado do desaparecimento da irmã, se fechando no seu casulo onde seu mundo é os cálculos, porque números é a única coisa que ele compreende.

O livro rendeu um filme italiano, com uma trilha sonora composta por Mike Patton (muito boa, aliás!). Porém, não chega nem perto da beleza do livro. Mesmo apesar da escolha dos atores que interpretam os protagonistas adolescentes tendo sido ótima, o filme não ficou bom. Então passem longe.

2_5834_L

Imagem do filme de 2010. Com os protagonistas adolescentes.

O que é impressionante no livro é, sem dúvida, a construção dos personagens. Giordano conseguiu criar pessoas tão reais que são o que são por certos motivos. E ao mostrar esses motivos para o leitor, consegue passar a sensação de compreensão. É literalmente aquela frase que aparece no Facebook sempre: “Seja gentil, porque cada pessoa que você encontra tem sua grande luta para travar.

É um drama lindo que vai fazer você se sentir mais completo e humano ao terminar.

Carina SilvaPostado por Carina Silva

Veja também


2 comentários em “[Resenha] A Solidão dos Números Primos”

Deixe um comentário