[Resenha] Todos Nós Adorávamos Caubóis

todos-nós-adorávamos-os-caubóis

todos-nós-adorávamos-os-caubóis

Duas moças que estão tentando resolver seu relacionamento, uma viagem de carro tendo como cenário o interior do sul brasileiro e uma autora brasileira e jovem. Resultado: claro que assim que soube da existência de “Todos Nós Adorávamos Caubóis” – Companhia das Letras – tive que botar na minha lista de livros desejados.

Cora e Julia estão vivendo seus vinte e poucos anos, uma morando em Paris e estudando moda após ter abandonado o jornalismo e outra morando no Canadá, quando a narradora – Cora – decide tirar do papel os planos de sair pelo sul do Brasil de carro e sem destino certo com Julia. A premissa da viagem, e da história, além de descobrir o que vai acontecer com duas jovens garotas andando de carro pelo interior, é descobrir o que vai sair dessa relação até então mal resolvida entre as duas.

Elas não se viam há aproximadamente 3 anos e antes disso, na época da faculdade, chegaram a ir de simples amigas para algo a mais.

Julia é uma moça moderna e descolada que não tem lá muita afeição por sua família muito menos por sua cidadezinha do interior sulista. Ela enxerga o modo que a família a trata como sendo uma substituta e que deve compensá-los de alguma forma. Isso provoca um distanciamento dos pais e do irmão mais velho, o que pode ser compreensível, afinal ninguém é obrigado a amar a família de paixão.

Já Cora pode parecer imatura e com grandes dificuldades de enfrentar os problemas. A viagem de carro com a amiga/ex caso representa o primeiro passo para ela aprender a resolver as coisas engavetadas. Além de ter armado a viagem para definir de uma vez por todas seu relacionamento com Julia – se serão amigas, namoradas, ou simples conhecidas – Cora tem que resolver o relacionamento com o pai. Pessoa que se distanciou dela após o divórcio com sua mãe, se casou com uma moça da idade dela e a chamou para ir de Paris ao Brasil acompanhar o nascimento do seu mais novo meio irmãozinho.

O problema é que Cora simplesmente não está afim desse drama. Para ela, resolver as coisas com Julia está no primeiro plano.

todos-nós-adorávamos-os-caubóis

O livro de 2013 da escritora Carol Bensimon narra especificamente o período onde as duas moças estão inseguras quanto à sua sexualidade e sentimentos. Para mim, ambas são imaturas principalmente pelo fato de fugirem dos confrontos com as respectivas famílias e também de evitar “the talk” sobre a relação delas. É justamente para isso que a viagem serviu: uma pausa na vida das duas para clarearem as ideias e os sentimentos.

Para quem gosta de uma leitura com boa ambientação, o livro vai agradar. Diversas vezes a narradora e protagonista para o ritmo da história para descrever em detalhes o quarto do hotel, por exemplo. Cora analisa suas sensações várias vezes e não evita em ir ao passado para apresentar melhor a história das duas.

Não sei se isso funcionou comigo. Apesar da narração cheia de flashbacks Julia e Cora ainda me pareceram apáticas, sem senso de humor e sem muitas camadas. Talvez tenha sido essa a intensão da Carol Bensimon.

Quem gosta de bastante diálogos pode ficar na vontade, o livro tem poucos. Mas recomendo para quem estiver afim de uma história com protagonistas homossexuais narrada de forma real. E por que eu falo real? Bom, nunca tinha lido um livro onde os protagonistas são um “casal” do mesmo sexo e achei bem interessante o jeito que a Carol descreve os sentimentos de atração física de Cora por Júlia de um jeito natural. Em nenhum momento ela exagera ou diminui. Simplesmente coloca o que é necessário, sem mimimi.

Apesar de bem curtinho, não é tão simples entrar no clima da narração do livro, por isso, “Todos Nós Adorávamos Caubóis” é bom para ler longe de barulhos e aproveitar as divagações de Cora e ambientação do interior do Sul com calma.

Diga o que achou do post

Carina Silva

More about Carina Silva

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *